A concelhia do CDS/Porto garantiu, esta segunda-feira o vereador Sampaio Pimentel vai manter os seus pelouros na Câmara do Porto e, para o efeito, conta com o apoio de todo o executivo.

«Fica tudo tal e qual estava. Não há alteração [e Sampaio Pimentel] fica na câmara e com o total apoio da câmara», afirmou à Lusa o líder da concelhia centrista, segundo o qual «não há nenhuma cisão» dentro da autarquia e «o projeto está mais sólido do que nunca».

Pedro Moutinho esclarecia desta forma um comunicado do CDS/PP segundo a qual o partido garante que mantém a «total confiança» no vereador Sampaio Pimentel e o «total apoio» ao presidente da Câmara do Porto.

A nota surge depois de várias notícias que indicavam a eventual retirada de pelouros, pelo autarca Rui Moreira, a Sampaio Pimentel, responsável pela Fiscalização e Proteção Civil na Câmara do Porto.

Contactado pela Lusa, o próprio vereador remeteu «todas as considerações» para o comunicado, com o qual diz estar «plenamente de acordo». Questionado sobre se mantêm os pelouros na Câmara do Porto respondeu: «é claro».

«Face às notícias vindas a público na última semana envolvendo a governação da Câmara Municipal do Porto, entendemos ser oportuno esclarecer o seguinte: o CDS está empenhado na prossecução e execução escrupulosa do manifesto eleitoral do projeto O Nosso Partido é o Porto», refere o comunicado hoje divulgado pela comissão política concelhia.

No documento, os centristas assinalam que «decorrido um ano das eleições autárquicas, este executivo tem vindo a implementar de forma consistente o programa eleitoral, não estando a sua execução a defraudar a expectativa dos portuenses».

Acrescentam que o partido «mantém total confiança no vereador da Câmara Municipal do Porto, Manuel Sampaio Pimentel, congratulando-se pelo trabalho que tem vindo a fazer», tal como mantêm «total apoio ao presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira».

«Assim o CDS manter-se-á onde sempre esteve, na defesa dos primordiais interesses da Cidade do Porto, tudo fazendo para continuar a respeitar a vontade expressa pelos Portuenses na noite eleitoral», remata a concelhia liderada por Pedro Moutinho.

A edição de quinta-feira do jornal Público avançava que o presidente da Câmara do Porto podia retirar os pelouros a Sampaio Pimentel, que ocupou o número dois da lista do candidato independente.

Manuel Sampaio Pimentel manifestou em vários momentos divergências em relação a dossiês da autarquia, nomeadamente depois de classificar como «o grau zero da dignidade humana» as salas de chuto que o gabinete de Rui Moreira admitiu criar no âmbito de um programa de combate à toxicodependência.

As declarações de Pimentel foram publicadas pelo «Jornal de Notícias a 12 de agosto», um dia depois de o vereador ter criticado na página do Facebook o novo diretor artístico do Teatro Rivoli, por se dar «ao desplante de criticar a política autárquica anterior quando existem dois vereadores [Sampaio Pimentel e Guilhermina Rego] do atual executivo que a viabilizaram convictamente».