Portugal congratula-se com o anúncio do restabelecimento das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba, divulgado na quarta-feira por Washington e Havana, qualificando a decisão como histórica, referiu esta quinta-feira a diplomacia portuguesa.

«Trata-se de uma decisão histórica que – incluindo, a prazo, a reabertura das embaixadas nas respetivas capitais – certamente contribuirá para normalizar os laços que unem dois povos vizinhos e naturalmente próximos», referiu o Ministério dos Negócios Estrangeiros português, num comunicado.


Na mesma nota, a diplomacia portuguesa menciona a questão do embargo económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos há mais de meio século, expressando votos de que o gesto agora anunciado «possa vir também a contribuir para um levantamento ou uma revisão do embargo a Cuba, em benefício das economias e dos cidadãos de ambos os países».

O ministério recorda ainda que Portugal tem «consistentemente defendido, no seio da União Europeia, uma posição a favor da manutenção de canais abertos de diálogo político-diplomático com Cuba», através, designadamente, das negociações em curso sobre o futuro Acordo de Diálogo Político e de Cooperação com aquele país.

Os presidentes dos Estados Unidos e de Cuba, Barack Obama e Raul Castro, respetivamente, anunciaram na quarta-feira o restabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países.



O embargo contra Cuba foi imposto pelos Estados Unidos em 1962, depois de uma fracassada invasão da ilha conhecida como «Baía dos Porcos», para tentar derrubar o regime de Fidel Castro, em 1961.

Ainda na quarta-feira, os Estados Unidos libertaram os últimos três membros do grupo que ficou conhecido como os «Cinco de Cuba», condenados em 2001 por espionagem.

A libertação de Gerardo Hernández, Ramón Labanino e Antonio Guerrero foi anunciada no mesmo dia em que o regime de Havana libertou o norte-americano Alan Gross, detido há cinco anos, em Cuba, também por espionagem.

Em abril deste ano, no âmbito da visita do secretário de Estado dos Negócios Estrengeiros e Cooperação, Luís Campos Ferreira, a primeira de um titular deste cargo desde 2009, uma fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros afirmou que Portugal queria retomar a relação política com Havana.

Em novembro último, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, liderou uma missão empresarial portuguesa a Cuba.