Portugal reiterou hoje a sua disponibilidade para prestar a Moçambique «o apoio e colaboração» necessários para responder aos raptos, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros, que fez votos para que a situação política naquele país «regresse à normalidade».

«O Governo português reiterou hoje junto do senhor ministro do Interior moçambicano, através da nossa embaixada, a disponibilidade, caso o Governo moçambicano assim o entenda, para prestar, quer no âmbito dos países da CPLP quer individualmente - consoante for escolhido pelo Governo moçambicano -, o apoio e a colaboração necessários» para que o problema dos raptos "rapidamente se altere", afirmou o ministro Rui Machete no parlamento, onde foi ouvido esta tarde a propósito do Orçamento do Estado para 2014.

Manifestando que os raptos em Moçambique são preocupantes no que diz respeito à proteção da comunidade portuguesa naquele país, que já foi atingida - neste momento, estão sequestrados dois portugueses, um homem e uma mulher, na capital, Maputo.

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros manifestou a sua satisfação com a libertação, na noite de quinta-feira, de um adolescente português.

«A nossa representação diplomática e consular e o Governo têm acompanhado desde o primeiro instante toda esta situação, desenvolvendo contactos permanentes com o Governo moçambicano. Estamos convictos, e foi confirmado ainda hoje, que este sentimento de preocupação é partilhado pelas autoridades moçambicanas, que nos têm transmitido esse sentimento», afirmou.

Rui Machete acrescentou que o Governo está a a«companhar com toda a atenção o evoluir da situação e da situação política» e faz votos para que Moçambique regresse rapidamente a um quadro de normalidade e estabilização, «preservando a paz e a prosperidade económica».