O ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, disse que não está garantida a segurança para serem retomadas as ligações aéreas entre Portugal e a Guiné-Bissau, reiterando esperar que seja eleito naquele país um «Governo legitimado» em março.

«As ligações diretas hão de ser retomadas, espero eu, quando houver garantias de segurança, as quais ainda não existem», disse o governante, quando questionado sobre se já existem condições para serem retomadas as ligações diretas entre Lisboa e Bissau, interrompidas pela TAP no final de dezembro, após o embarque de 74 sírios com passaportes ilegais.

Rui Machete salientou que «o Estado português já disse quais eram as condições que entendia necessárias para que a segurança fosse garantida», acrescentando que «existe um Governo de facto na Guiné, que não é reconhecido por Portugal nem por muitos países».

«Nós esperamos que as eleições se realizem efetivamente em março e a partir daí que seja possível constituir um Governo que já obedeça às normas constitucionais e que se normalize a vida democrática», salientou o ministro, que falava aos jornalistas no final de uma visita à sede da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), em Lisboa.

«Fazemos votos para que isso aconteça e estamos a trabalhar para que as eleições se realizem em termos corretos e possa sair um Governo legitimado pelo voto», destacou Machete, acrescentando que «há vários países», além de Portugal, a desenvolver «esforços nesse sentido».

Questionado sobre a situação dos 74 passageiros sírios, dos quais alguns já não se encontram nas instituições de acolhimento em Portugal, o ministro garantiu que há um controlo de «ingresso» no espaço Schengen, que é «o controlo mais importante», mas essa é uma situação «igual para todos», pelo que «não há especificidades».