«A posição do Governo português mantém-se. Não houve nenhum membro da União Europeia, depois da deliberação da Assembleia da República, que se tivesse adiantado a Portugal e reconhecido o Estado Palestiniano», referiu Machete.