O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, disse à Lusa, este domingo, que a cerimónia de canonização dos papas João XXIII e João Paulo II «teve um significado extremamente importante» pela ligação que ambos tinham com Portugal.

A representar o Governo português na praça de São Pedro, em Roma, Rui Machete disse que aquela «não foi uma cerimónia simplesmente para assistir, foi uma cerimónia para participar».

De João XXIII disse que teve um «papel significativo na reorientação da vida dos católicos portugueses», pelo que a cerimónia de hoje «assume toda uma importância particular».

«A cerimónia foi também dedicada ao João Paulo II, que tem uma relação muito estreita com Portugal. Tinha uma ligação particular com Fátima, visitou Portugal várias vezes, era um papa querido pelo povo português e visitou muito Portugal e isso sensibiliza-nos muito», frisou.

Rui Machete disse ainda que teve oportunidade de falar «um pouco sobre Fátima e sobre cerimónia que se aproxima [os 100 anos das Aparições marianas]» com o papa Francisco, mas não teve oportunidade de encetar outras diligências para a vinda do papa a Portugal nessa altura.

«Não falámos sobre a possibilidade de algum tipo de participação do papa nas cerimónias», afirmou.

Os papas João Paulo II e João XXIII, os mais emblemáticos do pós-guerra, foram hoje declarados santos, depois da cerimónia de canonização conduzida pelo pontífice Francisco, na presença do papa emérito Bento XVI e de 800 mil fiéis de todo o mundo.

«Declaramos e definimos santos João XXIII e João Paulo II e os inscrevemos no catálogo dos santos e estabelecemos que dentro da Igreja eles sejam honrados como santos», disse o papa argentino, em latim, perante os retratos de Karol Wojtila e Angelo Roncalli, enquanto os sinos tocavam na cidade de Roma.