O prédio de Ricardo Robles, em Alfama, esteve à venda para alojamento local.

Segundo o jornal Público, que teve acesso ao anúncio da imobiliária, entretanto retirado, a promoção do imóvel dizia que os apartamentos estavam prontos para serem utilizados em arrendamento de curta duração, ou seja, para turistas.

Localizado em frente ao terminal de cruzeiros e junto ao Museu do Fado, o prédio do vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa teria como destino a venda a uma empresa de promoção de alojamento local, que Robles sempre apontou como um dos principais motivos para a saída de moradores da cidade.

O vereador do Bloco disse ao público que não tinha poder para condicionar a venda do seu prédio para utilização futura, venda da qual acabou por desistir.

O semanário O Sol acrescenta que, além do prédio, o político possui mais dois apartamentos no centro de Lisboa, num dos quais habita.

Para uma destas duas aquisições, o bloquista não pediu empréstimo bancário.