A Comissão Política do PS/Madeira agendou o congresso do partido para 27 e 28 de junho e marcou para 19 de maio as diretas para eleição do novo líder, informou esta sexta-feira o presidente interino, Ricardo Freitas.

«Só temos, por enquanto, uma candidatura [a de Carlos Pereira, atual líder da bancada parlamentar do PS/Madeira], mas é provável e natural que possam existir outras. Isso não é entendido por parte do Partido Socialista como um aspeto negativo», disse Ricardo Freitas.

O líder do PS/Madeira, Victor Freitas, demitiu-se na sequência dos maus resultados eleitorais de 29 de março, onde o partido integrava a coligação Mudança, juntamente com o PTP, MPT e PAN. Obteve 14.574 votos (11,43%) e a eleição de seis deputados (cinco do PS e um do PTP), o que se traduziu no pior resultado de sempre na região autónoma.

«É evidente que falhamos na nossa opção estratégica e tática, não atingimos os resultados, mas continuamos com a nossa determinação na defesa das pessoas e continuamos a ter uma exigência de maior democracia e maior participação», declarou Ricardo Freitas, garantindo, por outro lado, que não é candidato à liderança do partido.

«O presidente interino não é candidato. Isso não se coloca», sublinhou.

Carlos Pereira, que foi reconduzido como líder parlamentar dos socialistas madeirenses na quinta-feira, é para já o único candidato.

«Assumo, sem equívocos, a liderança do partido, já que depois de ter sido desafiado por alguns militantes, passei por um momento de reflexão que teve uma dose alargada de consensos, para evitar um processo de liderança penoso», disse hoje à Lusa, após uma reunião em Lisboa com o secretário-geral do PS, António Costa.

Carlos Pereira afirmou que «pretende resgatar o PS-M para o lugar que este deve ter na sociedade madeirense», já que neste momento é a terceira força politica no parlamento regional.

O líder parlamentar do PS-M disse ainda que não terá problemas em "criar pontes com o PSD-M no sentido de viabilizar soluções para os madeirenses", argumentando que "daquilo que se conhece das propostas do PSD-M, algumas são coincidentes com as do PS-M".