Atualizada às 20h20

Marco António Costa convidou o líder do Partido Socialista para uma reunião de trabalho após a discussão do Orçamento do Estado que decorre esta quinta e sexta no Parlamento, avança o «Expresso».

O coordenador da Direção Nacional do PSD endereçou o convite numa carta escrita a António José Seguro.

«A carta refere que numa altura em que há sinais da recuperação da Economia e o Governo se prepara para fechar o programa de ajuda externa, a direção do PSD considera oportuno consensualizar posições para o período pós-troika com o maior partido da oposição», escreve o jornal na sua edição online.

No entanto, o PS recusou o convite do PSD para debater a reforma do Estado por considerar tratar-se de «mais uma encenação para distrair as atenções dos portugueses (...) em vésperas de debate orçamental».

«Acuso a receção da sua carta, propondo uma reunião entre os dois partidos a propósito daquilo a que designa por «reforma do Estado». Tal proposta não pode ser considerada seriamente, mas antes mais uma encenação para distrair as atenções dos portugueses», lê-se na missiva de resposta do secretário nacional socialista Miguel Laranjeiro à carta do porta-voz do PSD.

O maior partido da oposição afirma ainda que «os portugueses estão fartos de conversa e mais conversas», lamentando que o PSD «tenha chumbado a proposta de metodologia da reforma do Estado» que o PS entregou, em dezembro de 2012, na Assembleia da República.

«Numa altura em que os portugueses estão a ser vítimas de cortes e mais cortes, essa proposta [do PSD] não faz sentido", advogou, antes de referir que o executivo liderado por Pedro Passos Coelho "prometeu há mais de um ano apresentar uma reforma do Estado».

«Estamos quase em novembro e só agora aparece um documento, que não é nenhuma reforma do Estado. Se o Governo pretender apresentar propostas, que o faça aqui no parlamento e, naturalmente, o PS estará disponível para as discutir com todos os partidos», disse.

Miguel Laranjeiro declarou ainda que o país «está cansado de conversa e mais conversa por parte deste Governo e do PSD».