Notícia atualizada

O líder do PS disse hoje que está a cumprir o seu dever institucional ao aceitar o convite do primeiro-ministro para uma reunião, mas escusou-se a fazer qualquer antevisão do encontro.

«O senhor primeiro-ministro convidou-me para uma reunião e eu cumpro o meu dever institucional que é o de aceitar essa reunião no quadro de uma democracia madura, como é a democracia portuguesa», afirmou o secretário-geral socialista, António José Seguro, que falava os jornalistas no final de um encontro com o Presidente da República, com vista à marcação da data das eleições europeias, que se deverão realizar a 25 de maio.

Escusando-se a fazer mais comentários, António José Seguro remeteu mais declarações para o final do encontro com o chefe do executivo, Pedro Passos Coelho.

A audiência entre Passos Coelho e António José Seguro, marcada para as 18:45, surge na sequência do convite do primeiro-ministro ao líder do PS para analisar em conjunto o processo de conclusão do programa de assistência financeira e para a construção de uma «estratégia de médio prazo».

O PSD disse esperar uma «participação construtiva» por parte do PS no encontro com o primeiro-ministro, reiterando a importância de «amplos consensos» em matérias estruturais para o país.

«É muito importante para Portugal que se construam amplos consensos, consensos duradouros, consensos estruturados relativamente a matérias que são centrais para o nosso futuro coletivo e que isso seja um instrumento facilitados da vida dos portugueses», afirmou o vice-presidente do PSD Marco António Costa, em declarações aos jornalistas no final de um encontro com o Presidente da República com vista à marcação das eleições europeias, que se deverão realizar a 25 de maio.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, enviou sexta-feira uma carta a António José Seguro, divulgada no domingo, em que o convida para se reunirem e analisarem «em conjunto o processo de conclusão do programa de assistência financeira» e para a construção de uma «estratégia de médio prazo».

«De facto, a capacidade para encontrar um entendimento político alargado sobre esta estratégia pós-troika assume, neste contexto um relevo grande e pode beneficiar significativamente as perspetivas de crescimento e emprego para a economia portuguesa e para os portugueses», refere o chefe de Governo, na missiva.

O vice-presidente do PSD assinalou que em cima da mesa do encontro de Pedro Passos Coelho com António José Seguro estarão três temas fundamentais: a estratégia orçamental, as reformas estruturais já realizadas e a construção de «uma agenda comum» para potencial o crescimento económico.

«São três pontos da máxima relevância para o interesse nacional e que devem merecer o empenho de todos os partidos», acrescentou à Lusa.

A audiência entre Passos Coelho e António José Seguro, marcada para as 18:45 desta segunda-feira.