O antigo Presidente da República António Ramalho Eanes manifestou esta segunda-feira apoio à candidatura de António Sampaio da Nóvoa a Presidente de República, enaltecendo a “provocação para a reflexão conjunta” do discurso, indispensável para ultrapassar obstáculos.

Ramalho Eanes foi um dos notáveis que esteve presente, esta segunda-feira, no Porto para a apresentação da carta de princípios da candidatura a Presidente da República do antigo Reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa, cerimónia que encheu o Teatro Rivoli.

Aos jornalistas, no final, o antigo Presidente da República não se quis alongar nas explicações sobre o apoio a Sampaio de Nóvoa porque “hoje é o dia do candidato”, remetendo para as declarações hoje publicadas pelo Jornal de Notícias, nas quais elogiou a “capacidade de liderança" e "caráter forte e bom" do candidato, que considera ser “dotado de uma inteligência superior e de boas qualidades de temperamento”.

“Eu acho que o discurso, independentemente daquilo que as pessoas possam pensar politicamente, independentemente das ideologias, é um discurso em que se deve pensar porque não há ali apenas apelos, há ali de alguma maneira uma provocação para a reflexão conjunta e eu creio que a reflexão conjunta é indispensável para ultrapassarmos os obstáculos que têm impedido que encontremos o futuro que desejamos”, enalteceu.


Durante o discurso, Sampaio da Nóvoa já se havia dirigido ao antigo Presidente da República, afirmando que era uma “honra” contar a sua presença, “pelo património de integridade e de honradez que nos transmite, pelo legado de dedicação aos outros que convida a continuar”.

“Senhor General, acredite que tudo farei para estar à altura da distinção que me concede com a sua presença”, garantiu.


Aliás, esta não foi a única vez que o candidato a Belém se referiu ao antigo Presidente da República uma vez que da carta de princípios faz parte a seguinte afirmação – reiterada no discurso no Teatro Rivoli:”Em tudo, procurarei honrar a confiança em mim depositada, dando continuidade ao legado dos mandatos dos Presidentes Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio”.

Sampaio da Nóvoa recordou ainda que Eanes tem sublinhado que “os portugueses devem muito à capacidade de resistência e de iniciativa da sociedade civil, nalguns casos com sacrifícios pessoais levados ao extremo, noutros com uma imensa dedicação em instituições sociais, nas igrejas e em movimentos solidários e cooperativos”.

Sampaio da Nóvoa anunciou a sua candidatura à Presidência da República a 29 de abril, em Lisboa, numa sessão a que assistiram os antigos chefes de Estado Mário Soares e Jorge Sampaio.

António Ramlho Eanes, 80 anos, foi Presidente da Republica durante dois mandatos, entre 1976 e 1986.

Sexta-feira, o jornal Sol noticiou que Ramalho Eanes elogiou o “espírito de missão e a dedicação ao bem comum” do candidato presidencial e adiantou que ia estar presente hoje no Porto.

Na sessão do Porto estiveram ainda presentes o secretário-geral da JS, João Torres, o antigo ministro do PS Augusto Santos Silva, a eurodeputada do PS Elisa Ferreira, os generais Pinto Ramalho e Luís Araújo e o almirante Melo Gomes, o vereador da Câmara do Porto Correia Fernandes, o professor universitário Alexandre Quintanilha, o presidente da Fundação de Serralves Braga da Cruz, entre outros.