O eurodeputado Manuel dos Santos já reagiu à intenção do secretário-geral do PS, António Costa, que pretende expulsá-lo do partido por "preconceitos racistas", considerando tratar-se de "uma vergonha para o PS". O caso foi já enviado pelo presidente Carlos César à Comissão Nacional de Jurisdição do partido, com o pedido de “rápidas diligências”.

Há muito que Manuel dos Santos desonra o seu passado. Hoje tornou-se uma vergonha para o PS. Espero que a Comissão Nacional de Jurisdição rapidamente nos liberte da companhia de quem partilha preconceitos racistas”, afirmou António Costa, numa declaração à agência Lusa.

Na rede social Twitter, o eurodeputado socialista Manuel dos Santos chamou “cigana” à deputada do PS Luísa Salgueiro, “não só pelo aspeto", mas porque "paga os favores que recebe com votos alinhados com os centralistas".

Luísa Salgueiro, dita a cigana e não é só pelo aspeto, paga os favores que recebe com votos alinhados com os centralistas”, escreveu Manuel dos Santos.

Já após ser conhecida a posição de António Costa sobre as publicações do eurodeputado, Manuel dos Santos comentou-a, usando o mesmo canal.

Entretanto, o presidente do PS, Carlos César, enviou o conteúdo de três "tweets" escritos pelo eurodeputado Manuel dos Santos à presidente da Comissão Nacional de Jurisdição do partido, pedindo “rápidas diligências”.

Dado o melindre da situação gerada, solicito as suas mais rápidas diligências”, lê-se numa carta dirigida por Carlos César à presidente da Comissão Nacional de Jurisdição, Telma Correia.

O presidente do PS faz este pedido “considerando o flagrante caráter atentatório da dignidade que deve estar associada à condição de membro do PS, com as responsabilidades institucionais do filiado Manuel dos Santos”.

Remeto, para os efeitos que tiver por convenientes, nota de um conjunto de afirmações proferidas nesta data e atribuídas ao deputado europeu em causa”, acrescenta Carlos César.

Entretanto, a distrital do PS/Porto retirou a sua confiança política a Manuel dos Santos, considerando em comunicado que "não pode tolerar que o exercício da liberdade seja confundido com o insulto gratuito e com a negação dos valores socialistas".

Agência do Medicamento envenenou situação

As publicações de Manuel dos Santos na rede Twitter deveram-se a críticas do eurodeputado aos deputados socialistas do Porto que votaram na Assembleia da República uma saudação à candidatura de Lisboa para acolher a Agência Europeia do Medicamento (EMA).

As publicações de Manuel dos Santos levaram também o Alto-Comissário para as Migrações a remeter a questão para análise.

Tendo o Alto-Comissário para as Migrações tomado conhecimento das declarações alegadamente proferidas pelo Eurodeputado Manuel dos Santos na sua página do “Twitter”, cujo teor é suscetível de ser considerado de caráter discriminatório, remeteu o assunto ao Gabinete Técnico de Apoio à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação para averiguação dos factos", refere um comunicado enviado à TVI pelo gabinete do ministro adjunto, Eduardo Cabrita.

Santos ao ataque

As publicações do eurodeputado no Twitter provocaram um coro de reações, dentro e fora do PS, sem que Manuel dos Santos tenha abrandado os ataques. Defendeu-se, contudo, das acusações de racismo.

Ainda no Twitter, Manuel dos Santos, nascido em Mirandela, voltou à carga sobre o voto de Luísa Salgueiro, eleita pelo círculo do Porto, a favor da candidatura lisboeta para receber a Agência Europeia do Medicamento.

Criticado fora do partido, Manuel dos Santos atacou também comentadores. 

Explicações de Santos

Manuel dos Santos garantiu que o conflito com a também candidata do PS à Câmara de Matosinhos é "apenas e só" político e nada tem de pessoal.

É uma questão política a que me opõe a ela [Luísa Salgueiro], não é uma questão pessoal. Temos um conflito político porque ela é uma candidata que foi imposta e não escolhida pelo partido local", explicou em declarações à agência Lusa.

O autor da expressão nem fui eu, é a forma como ela é conhecida em Matosinhos. Não só pelo aspeto mas pela forma como se move nos negócios", salientou o eurodeputado.

Quanto ao termo utilizado, "cigana", Manuel dos Santos afirmou que "pode ter sido uma expressão mais ou menos infeliz, mas que é o que é".