O candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa defendeu esta segunda-feira que o tempo que o Presidente da República está a demorar a tomar uma decisão sobre o Governo do país “é um tempo que não está a ser normal”.

“Não vejo hoje da mesma maneira que vi todas as razões que levaram ao tempo de funcionamento da democracia, até que os partidos tenham decidido o que tinham a decidir na sua sede normal, que é o parlamento: da mesma maneira que eu achei normal esse tempo, também acho que este é um tempo que não está a ser normal”, disse Sampaio da Nóvoa à imprensa, na Fundação José Saramago, em Lisboa.

Embora frisando que “do ponto de vista constitucional”, Cavaco Silva “não tem nenhum prazo” para tomar uma decisão sobre o próximo Governo de Portugal (após o chumbo no parlamento do programa do executivo minoritário PSD-CDS, recém-nomeado pelo chefe de Estado), Sampaio da Nóvoa considera que “era preciso que esta decisão fosse tomada com a rapidez possível”, cita a Lusa. 

“Não há, na minha opinião, nenhuma razão que impeça uma tomada de decisão do senhor Presidente da República”, insistiu, acrescentando que “não é boa para Portugal, não é boa para os portugueses, a situação de indefinição que se vive agora”.

O candidato às eleições presidenciais alertou que “o arrastar desta situação pode trazer uma degradação da situação política e até da situação social, pode trazer tensões, crispações, agressividades”.

“E nós não precisamos de nada disso, precisamos de palavras de serenidade, de entendimento, de paz (…), precisamos de baixar o nível de crispação”, sublinhou.


“Nesta altura, a decisão rápida do senhor Presidente da República seria um gesto importante de pacificação da sociedade portuguesa – é disso que precisamos neste momento”, concluiu.