A candidata do PSD à Câmara Municipal de Lisboa, Teresa Leal Coelho, fez esta sexta-feira um balanço positivo da campanha eleitoral que lhe agradou “muitíssimo”, apontando que “palmilhou a cidade de lés e lés”.

Foi uma campanha que me agradou muitíssimo, primeiro porque tenho uma equipa que é excecional, depois porque podemos conhecer Lisboa ao pormenor, palmilhámos Lisboa de lés a lés, falámos com as pessoas, verificámos quais são os problemas que as pessoas têm”, disse aos jornalistas no Jardim da Estrela.

Naquela que foi a sua última ação de campanha para as eleições de domingo, Teresa Leal Coelho participou numa arruada que começou no Jardim da Estrela e terminou na zona do Príncipe Real, perto do Chiado, local onde passam esta tarde as comitivas do PS, da CDU e do CDS-PP.

Apontando que fez um “diagnóstico ao pormenor” da cidade nesta campanha eleitoral, a social-democrata afirmou que o seu programa “vai efetivamente, se puder ser implementado a partir de dia 1 de outubro, resolver os mais graves, mais dramáticos problemas das pessoas na cidade de Lisboa”.

Nós conhecemos Lisboa e sabemos o que Lisboa precisa”, vincou.

"Muito bem recebidos na rua"

Ao longo de duas semanas de campanha oficial, antecedidas por alguns meses de ações para as quais a comunicação social não foi chamada, Teresa Leal Coelho apontou que “não ficou nada propriamente por fazer”, uma vez que tocaram “em todos os pontos”.

Defendendo que “hoje as campanhas já não se centram fundamentalmente nos percursos, nas arruadas”, a candidata considerou que “o balanço é muito positivo”.

Fomos muito bem recebidos na rua, fomos muito bem recebidos em diversos bairros de natureza distinta”, considerou, acrescentando ter estado “com todas as comunidades que integram esta cidade cosmopolita e multicultural”.

Sobre as sondagens que a colocam em terceiro lugar, atrás do PS e do CDS-PP, Teresa disse tratar-se de “uma questão irrelevante”.