A maioria PSD/CDS-PP quer ouvir no parlamento a presidente do Instituto Nacional de Estatística (INE), Alda de Castro Carvalho, defendendo que há «discrepâncias entre as estimativas e os dados finais publicados» pela instituição.

No requerimento apresentado à comissão de Segurança Social e Trabalho, os deputados da maioria afirmam que «desde que existem estatísticas mensais de desemprego do INE têm sido sistematicamente divulgados dados que, afinal, são sempre revistos em baixa».

«Em concreto, em outubro de 2014, o INE anunciou 13,6% de desemprego que, afinal era 13,5%. Em novembro de 2014, o INE previu 13,9%, que depois retificou para 13,5%. Estas discrepâncias não permitiram aos portugueses uma correta perceção da evolução virtuosa da taxa de desemprego que teve, de facto, uma redução acentuada face a igual período de 2013», argumentam.

No requerimento, os sociais-democratas Adão Silva e Mercês Borges e pelo centrista Artur Rego, escrevem que «importa perceber as razoes de discrepâncias entre as estimativas e os dados finais publicados pelo INE».