O líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro, disse que esta quinta-feira é "um dia singular", iniciando funções um Governo e um primeiro-ministro que "foram rejeitados pelo povo", mas viabilizados por um entendimento dos partidos que perderam as eleições.

À chegada para a tomada de posse do XXI Governo Constitucional, Luís Montenegro disse aos jornalistas que "será um ciclo de governação novo que se abre a partir de agora".

"É um dia em que cessa funções um Governo e um primeiro-ministro que foram escolhidos pelo povo mas alvo de uma rejeição por parte dos partidos que perderam as eleições e em que inicia funções um Governo e um primeiro-ministro que foram rejeitados pelo povo mas que foram viabilizados para o exercício dessas funções por um entendimento pluripartidário dos partidos que perderam as eleições", criticou, como reporta a Lusa.

Sobre a ação do PSD, que agora passa a estar na oposição, Luís Montenegro disse que o partido "fará aquilo que é a sua obrigação, que é em cada momento ter total liberdade para agir em conformidade com aquilo que é o interesse nacional".

"Com uma certeza que é do conhecimento público e generalizado dos portugueses: quem sustenta politicamente este Governo é o PS, BE, PCP, PEV e o PAN", recordou.