O porta-voz do PSD considerou esta terça-feira que a greve convocada pelos sindicatos da TAP para entre 27 e 30 de dezembro é inoportuna e que a privatização da empresa decidida pelo Governo seguirá o seu rumo.

«É sabido que o Governo já tomou a decisão de privatizar a TAP, é uma decisão que consta do Programa do Governo e que, portanto, não constitui nenhuma surpresa, e que seguramente será mantida e que seguirá o seu rumo», afirmou Marco António Costa aos jornalistas, a meio da reunião do Conselho Nacional do PSD, num hotel de Lisboa.

O porta-voz e coordenador da Comissão Política Nacional do PSD ressalvou que a greve «é um direito que assiste aos trabalhadores», acrescentando: «Temos de o respeitar. Não quer dizer que possamos concordar com o 'timing' e com a escolha desse momento para realizarem a greve. Não é oportuna».

Marco António Costa disse que esta greve vai prejudicar os emigrantes portugueses que pretendem visitar as suas famílias neste período do Natal e Ano Novo, e também o turismo, a atividade económica em geral e a própria TAP.

A este propósito, o vice-presidente e porta-voz do PSD voltou a acusar o PS de contrariar o Programa de Assistência Económica e Financeira que assinou em 2011 ao opor-se à privatização total da TAP, alegando que os socialistas fazem «uma interpretação criativa do memorando de entendimento procurando uma tradução que não corresponde àquilo que está escrito no memorando original».