O porta-voz do PSD, Marco António Costa, afirmou esta terça-feira que o Governo está a recolher informação e «não se quer precipitar com nenhuma decisão imediata» sobre a saída do atual programa de resgate, posição que subscreveu.

Questionado sobre que dúvidas existem quanto a uma saída semelhante à da Irlanda, Marco António Costa respondeu que «as dúvidas são metódicas e prendem-se com a necessidade de nunca tomar uma decisão fora de tempo», acrescentando: «Há a necessidade de continuar a observar um conjunto de indicadores que neste momento são muito positivos, até ao limite do tempo de que dispomos».

O porta-voz e coordenador da Comissão Política Nacional do PSD falava aos jornalistas na residência oficial de São Bento, em Lisboa, no final de uma reunião com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho sobre a conclusão do atual programa de resgate a Portugal.

Acompanhado pelo secretário-geral do PSD, José Matos Rosa, e pela vice-presidente deste partido Teresa Leal Coelho, Marco António Costa considerou que os sociais-democratas ouviram «explicações muito importantes» do Governo nesta reunião.

«O Governo não se quer precipitar com nenhuma decisão imediata. Ainda tem tempo e quer aproveitar o tempo que lhe resta para continuar a recolher máximo de informação, no sentido de tomar uma decisão com toda a informação que possa recolher, de forma a assegurar a defesa do interesse nacional», declarou.

Subscrevendo esta posição, o porta-voz do PSD defendeu que, «na política, uma decisão tomada fora de tempo é sempre uma má decisão» e que «ainda existe tempo para que o Governo decida e para que recolha mais informações para poder então decidir com todos os elementos que são indispensáveis a essa decisão».