O CDS-PP questionou esta sexta-feira o Governo sobre o alerta da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) relativo ao agravamento da qualidade da água do rio Tejo, defendendo a recolha de amostras para "perceber onde começa o problema".

Na pergunta dirigida ao Ministro do Ambiente, os deputados do CDS-PP pelo distrito, Patrícia Fonseca, Álvaro Castello-Branco e Ilda Araújo Novo, questionam se a tutela "tem conhecimento do estado da água do rio Tejo à entrada em Portugal", nomeadamente na barragem de Cedillo, e se o ministro "pode assegurar que a degradação da água do rio Tejo não se verifica antes de Perais".

A Agência Portuguesa do Ambiente, através de um comunicado publicado na sua página de internet, emitiu em 22 de agosto um "alerta de agravamento da qualidade da água do rio Tejo", dando conta de que "os valores registados para o parâmetro oxigénio dissolvido têm vindo a decrescer para valores inferiores ao limite mínimo de qualidade (5 mg/l) potenciando riscos para a subsistência e a sobrevivência da fauna piscícola".

O CDS questiona se foram feitas recolhas de amostras nas estações a jusante e a montante de Fratel e "quais os parâmetros de qualidade encontrados", além de querer saber que medidas estão a ser tomadas no sentido de clarificar a origem real e solucionar o problema.

"Episódios de poulição"

Já o PSD perguntou ao Governo, através do ministro do Ambiente, se são empresas portuguesas que estão na origem dos anunciados problemas com a qualidade das águas do rio Tejo.

Além de continuarem a ser detetados episódios de poluição, vem agora a Agência Portuguesa para o Ambiente (APA), suportada pelos resultados dos equipamentos recentemente instalados, alertar que a qualidade da água do rio Tejo, na albufeira de Fratel, no distrito de Portalegre, registou valores de oxigénio abaixo do limite mínimo, com riscos para a sobrevivência da fauna piscícola", escrevem os deputados do PSD, questionando se "pode o Governo esclarecer se este fenómeno pode ser causado pela descarga de resíduos das empresas localizadas em território português".

Nas perguntas dirigidas ao Governo, os deputados Duarte Marques, Nuno Serra, Teresa Leal Coelho, António Costa da Silva, e Jorge Paulo Oliveira perguntam se "tem o Governo mais esclarecimentos e justificações a apresentar que expliquem o fenómeno” e se “este incidente é exclusivo desta zona do rio Tejo ou se algo semelhante ocorreu também junto à Barragem de Cedillo ou em qualquer outra parte do rio em território espanhol".

O PSD pergunta ainda se serão tomadas medidas de prevenção.