O secretário-geral do PS solicitou hoje ao primeiro-ministro que divulgue quanto o Governo gastou em estudos e pareceres externos e insistiu que esclareça qual o montante de juros perdoados no processo de regularização de dívidas.

Estas questões foram colocadas por António José Seguro no final de uma visita ao um centro de dia e lar de idosos em Alverca, a Casa de São Pedro.

«O primeiro-ministro tem de esclarecer quanto é que perdoou de dívidas com o processo de regularização de dívidas ao Estado e quanto é que já pagou em estudos e pareceres desde que é primeiro-ministro», afirmou o secretário-geral do PS.

António José Seguro justificou a necessidade desses esclarecimentos invocando o argumento da «transparência» na condução dos assuntos do Estado.

«Esse esclarecimento é devido aos portugueses, porque é dinheiro dos contribuintes. Ficava muito bem ao primeiro-ministro se o site do Governo divulgasse todos os estudos e todos os pareceres requeridos, sabendo-se quanto é que custaram e porque foram pedidos fora da administração pública. Aí estão de certeza vários milhões de euros», sustentou o líder socialista.

Interrogado sobre o facto de Pedro Passos Coelho ter reiterado na quarta-feira a intenção do Governo de vender as obras de Joan Miró, Seguro deu uma resposta curta.

«O primeiro-ministro respondeu mal. Acho que os quadros deveriam continuar no país», disse.