Oito dos antigos 10 líderes da Juventude Socialista (JS) manifestaram formal e publicamente o seu apoio ao atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, na corrida ao posto de secretário-geral do PS contra António José Seguro.

«Fomos conversando e achámos que, no quadro da atual discussão eleitoral, faria sentido uma posição conjunta destas pessoas que têm uma ideia clara. António Costa reúne as condições para liderar o partido e ser o futuro primeiro-ministro de Portugal», disse à Lusa o deputado Pedro Delgado Alves, que chefiou a JS entre 2010 e 2012.

Fora da lista de signatários da declaração de apoio só ficaram Jamila Madeira e, naturalmente, o próprio Seguro, que convocou para terça-feira uma reunião da Comissão Política «rosa» para aprovar a comissão eleitoral das eleições primárias socialistas de 28 de setembro.

«Quisemos demonstrar o nosso apoio de forma concertada, uma vez que todos conhecemos, por termos servido aquela organização e o partido, aquilo que é necessário para mobilizar o PS e a sociedade. Há pessoas de diversos períodos e, portanto, uma transversalidade grande», completou Delgado Alves.

Arons de Carvalho, José Leitão, Margarida Marques, José Apolinário, Sérgio Sousa Pinto, Pedro Nuno Santos e Duarte Cordeiro são os restantes sete nomes que aderiram ao texto que elogia a «capacidade de para construir pontes e mobilizar vontades» de Costa, tendo em vista «uma alternativa política sólida, clara e de esquerda que contrarie a incerteza e o desencanto».

Os antigos líderes juvenis apelam ainda «ao debate interno e externo, ao respeito pelas regras democráticas de transparência e de participação, que qualquer processo eleitoral exige».