A maioria PSD/CDS-PP rejeitou esta quarta-feira o requerimento do PS para a comissão parlamentar de inquérito à compra de material militar visitar um dos dois submarinos de fabrico alemão e outros equipamentos das Forças Armadas portuguesas.

Os coordenadores social-democrata e democrata-cristao da Comissão Parlamentar de Inquérito aos Programas de Aquisição de Equipamentos Militares (aeronaves EH-101, P-3 Orion, C-295, F-16, torpedos, submarinos U-209 e blindados Pandur II), respetivamente António Prôa e Filipe Lobo d'Ávila, criticaram a «obsessão socialista em torno dos submarinos», considerando uma «excursão» formal à base naval do Alfeite «sem qualquer sentido» e estranho o facto de não ser propostas visitas a outros equipamentos.

O socialista José Magalhães sugeriu então «uma visita completa, visto haver tempo e condições para a executar», mas PSD e CDS-PP mantiveram o argumento contrário, defendendo que a única utilidade seria "fazer uns 'bonecos' dos deputados a visitar um submarino" sem se acrescentar qualquer informação àquela já disponível.

«Somos deputados e não engenheiros navais», afirmou a dado passo o parlamentar do CDS-PP, Lobo d'Ávila.

O grupo parlamentar do PS contrariou a tese da maioria e afirmou que poderia optar por fazer a visita «a solo», passando um «atestado de incompetência aos outros grupos parlamentares, o que seria injusto».

Ainda assim, Magalhães manifestou a vontade de visitar o navio submersível, num regime aberto a todos os deputados que manifestassem tal vontade, tendo o presidente da comissão de inquérito, o democrata-cristão Telmo Correia, disponibilizado os serviços do Parlamento para facilitar as comunicações com a Armada.

Os deputados comunistas e bloquistas votaram favoravelmente à diligência, ao lado do PS.