O deputado socialista João Soares acusou esta quarta-feira o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, de estar a sofrer uma «crise de egocentrismo» ao persistir no «disparate completo» de disputar a liderança do PS.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente socialista disse não aceitar que a história de há um ano se repita, lembrando a «tragicomédia que terminou de forma absolutamente pífia», com o recuo do presidente da Câmara de Lisboa e a confirmação de António José Seguro na liderança do PS.

«Há menos de um ano tivemos um número parecido com este, uma tragicomédia que terminou de forma absolutamente pífia. As pessoas é que não têm memória na nossa terra. António Costa fez exatamente o mesmo número e, depois, chegou à comissão politica e disse que não era candidato», recordou.

O ex-presidente da autarquia disse não lhe apetecer votar todos os anos a mesma questão, lembrando que o Congresso Extraordinário do PS legitimou Seguro com uma vitória e não uma derrota.

João Soares acusou António Costa de estar a sofrer uma «crise de egocentrismo, narcisista e sebastianista», recordando que «não há homens indispensáveis na terra».

Ferro Rodrigues pede a Seguro que marque já «diretas» e congresso

O dirigente socialista lembrou ainda as eleições autárquicas de 2013, nas quais votou em António Costa para a presidente da autarquia de Lisboa, sublinhando que é um «desrespeito» pelo seu voto que agora este responsável político pense em entregar a Câmara a outra pessoa.

«Votei no António Costa e declarei-o publicamente. Não estou disponível que alguém em quem votei entregue a câmara, seja a Helena Roseta ou a outro qualquer. É um desrespeito pelo meu voto, voto por princípio republicano. Não aceito isso, é um disparate completo», frisou.

António Costa manifestou terça-feira disponibilidade para «assumir as responsabilidades» na liderança do partido, depois de ter considerado que «à derrota histórica da direita nas europeias não correspondeu uma vitória histórica do PS».