O líder parlamentar socialista afirmou esta sexta-feira que é o primeiro-ministro quem está «equivocado» e com «uma linguagem bastante menos construtiva» do que a chefe de Governo germânica face à Grécia, comentando declarações de Passos Coelho.

«Quem está equivocado é o primeiro-ministro, nas políticas que conduz e na análise ao texto que lhe foi entregue, visto que é um texto muito crítico em relação às políticas seguidas pela troika em Portugal», disse Ferro Rodrigues, nos passos perdidos do parlamento.


Ferro Rodrigues foi um dos subscritores da missiva que defendia uma «solução multilateral do problema das dívidas europeias», tomando como exemplo a Grécia, e desejara uma resposta «elegante» do primeiro-ministro.

«Apesar de ter utilizado uma linguagem mais equilibrada e moderada - só por isso já valeu a pena a carta -, no essencial mantém uma posição que, se analisarem, é bastante menos construtiva do que a da própria chanceler [alemã] Merkel», lamentou o deputado do PS.


Passos Coelho considerou que a carta aberta que lhe foi dirigida por 32 figuras públicas «parte de um equívoco», pois Portugal «é, de longe», dos Estados-membros que maior esforço fez para apoiar a Grécia.