O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu esta segunda-feira que, após o momento da escolha dos portugueses em eleições, exista uma convergência estratégica no país e se vire a página na crispação política dos últimos anos.

Esta foi uma das mensagens centrais de António Costa no final de uma reunião com o PSD, encontro que decorreu na sede dos sociais-democratas, que durou uma hora e na qual esteve acompanhado pelo presidente do PS, Carlos César, pelo líder parlamentar, Ferro Rodrigues, e pelo dirigente socialista Porfírio Silva.

«Para além da governação do dia a dia - onde naturalmente existem divergências e onde este ano os portugueses vão ter a oportunidade de escolher os caminhos que desejam seguir -, é importante que haja uma visão comum sobre a visão estratégica para o país. Uma visão que, percorrendo necessariamente várias legislaturas, deve ser um objetivo de convergência entre as várias forças», defendeu o secretário-geral do PS.

Além da nota sobre «as grandes convergências de futuro», António Costa apelou também «ao diálogo entre as diferentes forças políticas», considerando como um dos fatores mais negativos dos últimos anos o ambiente de «crispação e de incomunicabilidade».

«É necessário virar uma página nesse sentido», salientou o líder socialista.