O BE antecipou esta segunda-feira que o encontro entre o primeiro-ministro e o líder do PS para analisarem a conclusão do programa de ajustamento servirá para combinarem qual «a dose de austeridade» que têm para oferecer aos portugueses.

Em declarações aos jornalistas no final de um encontro com o Presidente da República com vista à marcação das eleições europeias, o coordenador do BE João Semedo afirmou que, depois da troika ter chegado a Portugal pelas mãos de um governo PS, com o apoio do PSD e do CDS, a segunda troika terá também o apoio daqueles três partidos.

«O segundo programa de austeridade, a segunda troika, seja ela qual for, seja em que versão vier, seja com que roupagem vier será pela mão do Governo PSD/CDS, com o apoio do PS», sublinhou.

Por isso, disse João Semedo, o encontro que se irá realizar ao final da tarde entre o primeiro-ministro e o líder socialista servirá apenas «para combinar mais uma vez qual é a dose de austeridade que têm para oferecer aos portugueses».

«É essa a expetativa que infelizmente temos ao que têm sido as atitude, a posições políticas de António José Seguro, que continua a olhar mais para a direita do que para a esquerda e isso condenará o país a mais anos de austeridade absolutamente inúteis porque a dívida continuará a crescer», acrescentou.

A audiência entre Passos Coelho e António José Seguro, marcada para as 18:45, surge na sequência do convite do primeiro-ministro ao líder do PS para analisar em conjunto o processo de conclusão do programa de assistência financeira e para a construção de uma «estratégia de médio prazo».