Os festejos de S. João estiveram hoje no roteiro da disputa interna no PS, com António José Seguro e António Costa separados pelo rio Douro, o secretário-geral em Gaia e o autarca de Lisboa no Porto.

Quer o secretário-geral do PS, António José Seguro, quer o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa - opositores na disputa da liderança do PS - chegaram para os festejos do S. João a Vila Nova de Gaia e ao Porto, respetivamente, depois do aperto de mão, segunda-feira à noite, entre os presidentes de câmara dos dois concelhos - Eduardo Vítor Rodrigues e Rui Moreira - dado a meio da ponte que une as cidades.

Com uma vista privilegiada sobre as margens do Porto e de Gaia, António Costa chegou cerca das 21:00 ao Centro Social do Barredo - onde decorreu a sardinhada da Câmara do Porto - e foi recebido por Rui Moreira e pelos restantes convidados, de diversos quadrantes políticos.

Questionado pelos jornalistas sobre o facto de o secretário-geral do PS - e seu opositor na luta pela liderança do PS « estar do outro lado do rio Douro, António Costa foi perentório: «os rios unem as margens, não separam as margens».

Já António José Seguro viveu o S. João em Vila Nova de Gaia e de costas para António Costa, tendo afirmado: «esta vista é fantástica daqui para o Porto, mas estou também muito convicto de que não será uma vista menos simpática do Porto para Vila Nova de Gaia».

Num ambiente de festa, o secretário-geral socialista disse já ter recebido «há imenso tempo» o convite por parte do presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, o socialista Eduardo Vítor Rodrigues, para celebrar o São João no Cais de Gaia.

O presidente da Câmara de Lisboa recordou aos jornalistas que teve «o privilégio» de ter Rui Moreira na noite de Santo António, a 13 de junho, momento no qual foi anunciada a sua presença no S. João, no Porto.

«É uma excelente tradição que mantemos e que renovamos agora com o Dr. Rui Moreira, que é esta boa relação entre Lisboa e Porto. Acho que cada vez as duas cidades têm que se estimar mais e valorizar aquilo que ambas têm a dar ao país. E é com esse espírito que aqui estou e para brincarmos ao S. João», declarou.

Por seu turno, Seguro disse estar com «muito gosto» em Gaia, realçando a «única» que mostra duas cidades que se abraçam através do rio Douro.

Já Eduardo Vítor Rodrigues frisou que António José Seguro não precisava de vir ao São João para saber que tem o seu apoio.

«Não é uma disputa, é um momento de confraternização. O PS tem de habituar-se a depois das disputas a conseguir unir-se», realçou.

O independente e portuense Rui Moreira disse aos jornalistas que estas «coisas são normais», porque «é a democracia a funcionar», considerando que «ainda bem que vêm muitas pessoas, como o Dr. António José Seguro», apesar de não saber que ele estava do outro lado do rio.

«Nós tínhamos combinado que se ganhássemos as eleições que iriamos fazer troca nas tomadas de posse. Depois, ele [António Costa] convidou-me para o Santo António e eu convidei-o para o São João. E é normal. Essa é a relação que as duas grandes cidades devem ter», defendeu ainda Rui Moreira.