O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, anunciou esta terça-feira que irá apresentar já amanhã, quarta-feira, um pedido de renúncia ao mandato. 

Hoje, no final dos trabalhos da reunião da Assembleia Municipal de Lisboa, o autarca pediu para fazer uma intervenção anunciando que esta seria «a última reunião» na qual estaria presente.

«Amanhã, na reunião de Câmara, irei apresentar o pedido de renúncia ao mandato».


Está agendada uma declaração de imprensa para as 12:00 de quarta-feira, nos Paços do Concelho.Já se sabe quem muito provavelmente vai suceder a António Costa na liderança da câmara de Lisboa. Embora ainda não tenha sido anunciado, ao que tudo indica será Fernando Medina, até porque é o vice-presidente da autarquia e número dois da lista. 

Recorde-se que Costa venceu as eleições primárias do PS, contra António José Seguro, e foi depois eleito secretário-geral do Partido Socialista, com 98% dos votos. Está na corrida às próximas legislativas e ambiciona ser primeiro-ministro.

Esta saída da câmara de Lisboa já era expectável. Só não se sabia qual a data. O PSD reagiu, na mesma, com o seu líder parlamentar a constatar que António Costa não leva os seus mandatos até ao fim.

«Constato que mais uma vez o dr. António Costa não leva até ao fim um mandato político. É a única coisa que gostaria de dizer por enquanto»

Luís Montenegro falava à entrada para uma reunião da bancada do PSD, depois de questionado pelos jornalistas.

O vereador do CDS-PP na câmara, João Gonçalves, defendeu, por sua vez, que «há mais vida para além de Costa» no município.

«Nos últimos meses tem-se notado a ausência do senhor presidente devido às suas funções de secretário-geral do PS», pelo que «há mais vida para além de Costa e Lisboa viverá bem» depois da sua saída.


O vereador centrista frisou à Lusa que por resolver ficam, contudo, «várias questões pendentes na Câmara ligadas aos arruamentos e aos buracos que existem na cidade e outros problemas que têm vindo a verificar-se».

Já o vereador comunista Carlos Moura assinalou que a câmara que António Costa deixa está «mais reduzida do que a que encontrou, com menos competências e menos trabalhadores», mas vê «sem drama» a renúncia do presidente.

«A Câmara que António Costa deixa é uma Câmara substancialmente mais reduzida do que a Câmara que encontrou, com menos competências e com menos trabalhadores», afirmou o vereador, aludindo à reforma administrativa da cidade, que entrou em vigor em 2014.