O PSD enalteceu o entendimento entre o Governo e os sindicatos da UGT sobre a prova de acesso à carreira docente, destacando o caminho «construtivo, sério e responsável» da central sindical sobre a matéria.

«É um ótimo acordo e, mais do que isso, um ótimo exemplo que esperamos que deixe lastro. O que a política portuguesa precisa é de diálogo, compromisso e algum apaziguamento», disse o deputado social-democrata Carlos Abreu Amorim em declarações no parlamento.

A «construção de diálogos e compromissos» é essencial para o parlamentar, que mantém a «esperança» que o entendimento de segunda-feira possa ser alargado aos sindicatos afetos à CGTP.

«Mantemos sempre a esperança que haja uma atitude séria e responsável dos sindicatos afetos à CGTP como aquela que os sindicatos da UGT revelaram», declarou.

O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, anunciou na segunda-feira que os professores contratados com cinco ou mais anos de serviço ficarão isentos da prova de acesso à carreira docente.

O anúncio foi feito após uma reunião com a UGT, central sindical que, perante a garantia da tutela em dispensar estes professores contratados da Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades, se comprometeu a desconvocar a greve à prova, marcada para 18 de dezembro.

Para o secretário-geral da UGT, trata-se do «acordo possível» para dar «paz social» ao setor.