"A TAP é uma empresa absolutamente estratégica para o futuro do país. É uma condição essencial da nossa soberania e portanto é preciso extrema cautela com o futuro da TAP. Até agora o Governo fez tudo mal. Espero que nada de irremediável aconteça e que o país possa continuar a contar com a TAP como tem contado", disse o líder socialista.

António Costa, que falava aos jornalistas à saída de um encontro com a comunidade científica no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, vincou que desconhece o conteúdo das propostas que os empresários David Neeleman, German Efromovich e Miguel Pais do Amaral entregaram para aquisição da TAP, reiterando que o PS "tudo fará para que o Estado não perca o controlo" da transportadora portuguesa.

"Tenho esperança que os candidatos não tenham apresentado propostas para mais de 49% (…). O PS fará tudo para que o Estado não perca o controlo da empresa e não perca mais de 51% do capital", disse.

Confrontado com o facto de todos os candidatos terem apresentado propostas para aquisição de 66%, António Costa considerou que o Governo cometeu "um erro gravíssimo" porque, analisou, "deixa o país desprotegido em relação ao futuro da empresa".