O Presidente da República inicia, esta terça-feira, a sua primeira visita de Estado à Alemanha, num dia preenchido com contactos institucionais e a inauguração de uma exposição sobre a vida e obra do cineasta Manoel de Oliveira.

Logo pela manhã, o primeiro ponto da agenda do chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, será um encontro com o seu homólogo alemão, Horst Köhler, no Palácio Bellevue. Depois da tradicional cerimónia de revista às forças em parada, os dois chefes de Estado terão um encontro de cerca de meia-hora, prestando a seguir algumas declarações à imprensa.

Do Palácio Bellevue, a comitiva presidencial partirá para o memorial às Vítimas da Guerra e da Tirania, onde Cavaco Silva depositará uma coroa de flores, seguindo depois para a Câmara Municipal de Berlim.

Na autarquia de Berlim, o Presidente da República terá um encontro com o Burgomestre Klaus Wowereit, assinando a seguir o Livro de Honra. Da Câmara Municipal de Berlim, o chefe de Estado partirá para a Porta de Brandemburgo, passando-a a pé de Ocidente para Oriente.

Já depois de almoço, o chefe de Estado irá deslocar-se à Academia das Artes, onde inaugurará uma exposição sobre a vida e obra do cineasta Manoel de Oliveira, que completou no final do ano passado 100 anos.

Ao final da tarde, a comitiva partirá para a Chancelaria Federal, para um encontro com a chanceler Angela Merkel. Já à noite, o Presidente da República alemão oferecerá um banquete em honra de Cavaco Silva no Palácio Bellevue.

Além de 24 empresários ligados aos sectores automóvel, das tecnologias de informação, energia, têxtil e turismo, integram ainda a comitiva presidencial várias personalidades ligadas ao mundo cultural, como o cineastra Manoel de Oliveira, e à arquitectura, nomeadamente os arquitectos Siza Vieira e Carrilho da Graça.

Fazem ainda parte da comitiva, os ministros dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, da Economia, Manuel Pinho, e da Cultura, José Pinto Ribeiro, os secretários de Estado das Comunidades Portuguesas, António Braga, e do Turismo, Bernardo Trindade, além de representantes dos grupos parlamentares do PS, PSD, CDS-PP e PCP.

Transmitir um «sinal de confiança» no futuro do relacionamento com a Alemanha é, segundo a Presidência da República, o grande objectivo desta viagem.