O Presidente da República defendeu a mobilização dos portugueses para cuidarem das dimensões ambiental, social e económica da floresta, para se alcançar maior rentabilidade mas com respeito pelos requisitos ambientais.

«Nós temos todos que mobilizar os portugueses para cuidarem destas três dimensões, a dimensão ambiental, social e económica, respondendo ao desafio de mais rentabilidade, mas, ao mesmo tempo, respeitando todos os requisitos ambientais», afirmou Aníbal Cavaco Silva.

«É esse um dos grandes desafios que temos, de facto, à nossa frente», defendeu o Presidente da República.

O chefe de Estado discursava em Tramagal, concelho de Abrantes, distrito de Santarém, no âmbito de uma jornada dedicada à floresta portuguesa, antes de um almoço de trabalho na herdade da Caniceira com produtores e investigadores da floresta.

«Há aqui um trabalho a fazer no domínio da produção para tentar atenuar a escassez de matéria-prima», insistiu, apontando, ainda, a importância da certificação – apenas 10% da floresta nacional têm a sua gestão certificada – para a qualidade e competitividade dos produtos da floresta.

Quanto à inovação e investigação, o Presidente da República considerou que é por este caminho que se vão «encontrar novos produtos, desenvolver novos processos, novas formas de chegar aos exigentes consumidores dos produtos da floresta».

A herdade da Caniceira é uma unidade de produção de pinheiro e eucalipto do grupo Portucel Soporcel, o maior produtor no país de pinheiro e eucalipto.

A jornada, denominada «A Floresta com(n) Vida», é coorganizada pela Associação para a Competitividade das Indústrias da Fileira Florestal com os seus associados, dedicada à inovação na indústria de base florestal e à floresta portuguesa que pretende chamar a atenção para o valor ambiental, social e económico da floresta nacional.