O Presidente da República disse estar convencido que Portugal continuará a honrar os compromissos europeus, reiterando que isso é fundamental para a credibilidade do país, a confiança dos investidores e dos mercados.

"Portugal é um país respeitado pelos países da União Europeia, precisamente porque é um país que assume os compromissos que estão sobre a mesa no quadro europeu aos mais variados níveis. Isso não vai mudar, é o meu convencimento", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém, numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo búlgaro, Rosen Plevneliev, que iniciou hoje uma visita de Estado de dois dias a Portugal.

Questionado sobre as suas afirmações em junho, quando visitou a Bulgária, acerca da situação de instabilidade que se vivia na Grécia, Cavaco Silva insistiu que assumir os compromissos é fundamental para a credibilidade do país no plano internacional, para a confiança dos investidores e dos mercados e, consequentemente, para o reforço do investimento em Portugal.

"Este é o caminho que Portugal terá que continuar a trilhar", vincou, reiterando a necessidade do país respeitar os compromissos assumidos com os outros países da União Europeia, com os parceiros da NATO (OTAN, Organização do Tratado do Atlântico Norte) e "respeitando sempre as regras que fazem parte da União Europeia e da zona do Euro".

Pois, acrescentou, no plano internacional é muito importante que as relações entre os países se apoiem na "confiança e na amizade".
 

Portugal e Bulgária pedem resposta europeia “unida e coesa”


Portugal e a Bulgária sublinharam hoje a importância de uma resposta “unida e coesa” da Europa à atual crise dos refugiados e a necessidade de uma visão global e abrangente do problema.

“A crise dos refugiados requer um esforço comum. Portugal e a Bulgária representam parte da solução, mas ela exige uma abordagem conjunta europeia”, disse à imprensa em Lisboa o presidente búlgaro, Rosen Plevneliev.

O presidente português, Aníbal Cavaco Silva, afirmou também a “posição muito construtiva” dos dois países na matéria, sublinhando a disponibilidade para o acolhimento de refugiados.

Cavaco Silva alertou por outro lado para a necessidade de “olhar para as razões” na origem das migrações e, apontando a cimeira marcada para a próxima semana em Malta, frisou a importância de um “trabalho conjunto dos países de origem, de trânsito e de destino”.

A Cimeira de Malta vai reunir em La Valetta, a 11 e 12 de novembro, líderes europeus e africanos.

Plevneliev manifestou a sua concordância, salientando a importância de uma “política [externa] europeia ambiciosa” que contribua para a resolução de conflitos e advertindo para outros fatores que vão aumentar os fluxos migratórios no futuro.

“Esta vaga migratória não é nada comparada com o que pode vir a ser quando começarem a sentir-se os efeitos das alterações climáticas”, como secas generalizadas, disse o presidente búlgaro, apelando para compromissos em matéria de redução dos gases com efeito de estufa.
 

Turismo pode ajudar Portugal a reforçar relações com a Bulgária


O Presidente da República apontou o turismo, as infraestruturas e a indústria farmacêutica como áreas onde será possível reforçar as relações económicas com a Bulgária, país onde cerca de 450 empresas portuguesas já têm negócios.

"Queremos fazer ainda mais, é possível desenvolver parcerias em várias áreas".


Apontando a visita do Presidente búlgaro a Portugal como uma "oportunidade para reforçar as relações bilaterais e encontrar pontos adicionais de entendimento" em matérias da União Europeia e questões internacionais, Cavaco Silva recordou que já há "um número bastante razoável de empresas portuguesas que têm negócios com a Bulgária".

"Cerca de 450 empresas portuguesas já têm relações comerciais e de investimento com a Bulgária".


Contudo, insistiu, é possível fazer mais, nomeadamente através de parcerias "olhando para mercados terceiros" e "tirando partido da experiência" dos empresários búlgaros no Mar Negro e nos Balcãs e, por outro lado, da experiência portuguesa em mercados africanos e da América Latina.

Como áreas onde será possível aprofundar a cooperação, Cavaco Silva apontou o turismo, a construção de infraestruturas, tecnologias de informação e indústria farmacêutica.

A este propósito, o Presidente da República referiu o acordo que será assinado na terça-feira relacionado com a formação profissional de agentes de turismo.

"Esta visita contribuirá para o estabelecimento de contactos ainda mais fortes".

 

"Crise dos refugiados requer um esforço comum"


Portugal e a Bulgária sublinharam a importância de uma resposta “unida e coesa” da Europa à atual crise dos refugiados e a necessidade de uma visão global e abrangente do problema.

“A crise dos refugiados requer um esforço comum. Portugal e a Bulgária representam parte da solução, mas ela exige uma abordagem conjunta europeia”.


O presidente português afirmou também a “posição muito construtiva” dos dois países na matéria, sublinhando a disponibilidade para o acolhimento de refugiados.

Cavaco Silva alertou por outro lado para a necessidade de “olhar para as razões” na origem das migrações e, apontando a cimeira marcada para a próxima semana em Malta, frisou a importância de um “trabalho conjunto dos países de origem, de trânsito e de destino”.

Plevneliev manifestou a sua concordância, salientando a importância de uma “política [externa] europeia ambiciosa” que contribua para a resolução de conflitos e advertindo para outros fatores que vão aumentar os fluxos migratórios no futuro.

“Esta vaga migratória não é nada comparada com o que pode vir a ser quando começarem a sentir-se os efeitos das alterações climáticas”, como secas generalizadas, disse o presidente búlgaro, apelando para compromissos em matéria de redução dos gases com efeito de estufa.

Rosen Plevneliev, presidente da Bulgária desde janeiro de 2012, iniciou hoje uma visita de Estado de dois dias a Portugal, que incluiu já encontros com Cavaco Silva e com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, tendo ainda em agenda uma visita à Assembleia da República e uma reunião com o presidente do parlamento, Ferro Rodrigues. Em junho, Cavaco Silva também realizou uma visita de Estado à Bulgária.

A Bulgária é um dos países da União Europeia (UE) na rota terrestre seguida por milhares de refugiados provenientes da Ásia e Médio Oriente, fluxo que aumenta consideravelmente com o inverno, altura em que as condições no Mediterrâneo dificultam ainda mais a arriscada travessia.