O ex-reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa disse hoje, em Abrantes, estar «disposto a tudo» para contribuir para um novo ciclo político em Portugal, embora tenha assegurado não ser candidato a nada.

«Nunca fui, nem sou, candidato a nada, e tenho dito muitas vezes que não tenho vida política, mas também tenho dito que estou disposto a tudo para configurar uma solução de mudança e um novo ciclo político em Portugal, que é absolutamente essencial», disse Sampaio da Nóvoa à agência Lusa, à margem de uma conferência da Juventude Socialista de Santarém.

Segundo o professor universitário, «o novo ciclo político passa pelas legislativas, e depois pelas presidenciais, mas passa, sobretudo, por uma nova atitude em relação à política».

Questionado sobre a possibilidade de ser candidato à Presidência da República, em janeiro de 2016, Sampaio da Nóvoa disse não ser «uma coisa que procure ou deseje», reiterando querer «contribuir para a mudança e para a transformação do país, (…) não excluindo nem incluindo uma futura candidatura» à sucessão de Cavaco Silva.

Para tal acontecer, observou, «é preciso que haja uma mobilização das pessoas, que inclua os partidos, enquanto estruturas fundamentais da vida politica e democrática", tendo defendido ser "chegada a altura de ir além dos partidos».

«É preciso reconhecer a importância das forças sociais, dos movimentos sociais e de muita coisa importante que acontece hoje na sociedade portuguesa e que eu denomino, de forma redundante, democracia democrática, uma democracia que vá para além das estruturas formais da democracia», disse Sampaio da Nóvoa.

Nesse contexto, de modo a «reinventarmos uma ideia de futuro» para Portugal, «estou disponível para participar, com outros e com outras pessoas, seja em primeiro ou em último lugar», afirmou.