«Não sou independente de nada. Não sou independente das causas, não sou independente das pessoas, não sou certamente independente da política. Não me considero menos político por não estar dentro de um partido», afirmou.


Para Sampaio da Nóvoa, «não há nenhuma diminuição na voz que as pessoas têm que ter do ponto de vista da sua intervenção pública, política, em todos os lugares em que estão, sejam eles quais forem».


«O Presidente da República à sua maneira, da mesma maneira que os outros órgãos de soberania, tem obviamente um papel muito relevante na nossa vida política e no nosso futuro coletivo», disse.










«O maior mérito e que mais contribui para a independência do Tribunal Constitucional é o caráter não renovável do mandato. O facto de os juízes não precisarem de agradar a quem os elegeu é o aspeto mais decisivo para a independência do juízo dos juízes do Tribunal Constitucional», afirmou o deputado.