O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa considera que o debate televisivo com Sampaio da Nóvoa na quinta-feira decorreu como era previsível e sem nada de novo em relação ao que se passou nos últimos meses.

Questionado pelos jornalistas depois de ter visitado um centro de tratamento infantil, em Paço de Arcos (Oeiras), Marcelo Rebelo de Sousa disse que não mudou “o tom” no debate televisivo de quinta-feira, e que a campanha tem sido previsível.

E perante a pergunta sobre se esperava um Sampaio da Nóvoa agressivo o candidato presidencial afirmou: “a questão é se se esperava que eu fosse tão agressivo”.

“Mas não foi um problema de agressividade, cada debate é um debate e não vi nada de especialmente novo ontem [quinta-feira] em relação ao que se passou nos últimos meses”, afirmou.


Marcelo acrescentou que a estratégia de campanha está definida e que se mantém e reafirmou que não aconteceu nada “que não fosse previsível”, incluindo o debate de quinta-feira.

Num debate televisivo na SIC Notícias entre os dois candidatos Marcelo Rebelo de Sousa acusou António Sampaio da Nóvoa de ter um passado de “vazio e de ausência” de posições políticas.

"A sua história é de vazio, é de ausência. Há uma diferença de história política. Os portugueses sabem onde eu estive no 25 de novembro, na altura da adesão ao euro. O professor apareceu agora virgem há três ou quatro anos, a tomar posição política", acusou Marcelo.


Sampaio da Nóvoa procurou demonstrar que o agora candidato tem posições contraditórias ao longo do seu percurso político e enquanto comentador televisivo: "O que é impressionante é que sobre todas as matérias temos 20 citações a dizer uma coisa, e 20 citações a dizer o contrário".