O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa diz ter a certeza de que o Governo “está a fazer tudo” para garantir a posição dos depositantes do Banif e espera que seja tomada uma decisão o “mais rapidamente possível”.

“Eu tenho a certeza de que o Governo está a fazer tudo e irá fazer tudo, aliás com base nas regras europeias e com o apoio da comissão europeia, por um lado para garantir a posição dos depositantes e, por outro lado, a pensar na projeção que o banco tem na diáspora madeirense”, afirmou à margem do jantar do 20.º aniversário do Clube Via Norte, na Maia, distrito do Porto.

Marcelo Rebelo de Sousa entendeu que o Governo de António Costa irá agir “rapidamente” porque, considerou, “uma decisão tomada antes do final do ano é diferente de uma decisão tomada depois do final do ano”.

“O que se quer é que seja tomada [decisão] o mais rapidamente possível para que tenha as melhores condições de intervenção para garantir também os contribuintes portugueses”, sustentou.

"O plano de reestruturação do Banif, tal como é de conhecimento público, está a ser analisado pela DG Comp [Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia]. Paralelamente, decorre um processo de venda do banco nos mercados internacionais conduzido pelo seu Conselho de Administração. O Governo acompanha, como lhe compete, a evolução destes processos", lê-se no comunicado do Ministério das Finanças divulgado hoje, depois de a TVI e o Público terem noticiado haver uma solução iminente para o Banif.

Já o Banif emitiu, pela sua parte, um comunicado ao mercado a dizer que qualquer cenário de resolução ou imposição de uma medida administrativa não tem "sentido ou fundamento".

Marcelo Rebelo de Sousa considerou haver “vários cenários” para o Banif, mas sobre os quais um candidato à Presidência da República não se deve pronunciar.

Na sua opinião, o desafio para o futuro é garantir que o sistema financeiro português continua estável, porque, se assim for, estará em condições de financiar o crescimento económico e a criação de emprego.

“Tenho a certeza de que o sistema financeiro estará à altura das circunstâncias e que o Governo tudo fará para que fique e esteja sólido nos próximos anos”, sustentou.

Se o Governo do PS cumprir a sua missão no caso Banif e do sistema financeiro é bom para o executivo, mas também para Portugal e para os portugueses, concluiu.