O candidato presidencial independente Henrique Neto disse este domingo no Algarve que, caso fosse eleito Presidente da República, dissolveria a Assembleia da República se houvesse instabilidade política ou o Governo não defendesse o interesse nacional.

"Estou perfeitamente disponível para a dissolução da Assembleia da República (AR) se houver duas condições que eu acho negativas", afirmou num discurso na quarta edição do Fórum Empresarial do Algarve, apontando a instabilidade política e a má governação como fatores que poderiam levar a essa decisão.

Em declarações aos jornalistas, à margem da sessão de encerramento do Fórum, o militante socialista e ex-deputado esclareceu que a instabilidade política podia ser gerada, por exemplo, se o acordo entre os partidos não funcionasse ou se o Governo não defendesse o interesse nacional nas grandes questões para o país.

Henrique Neto apontou ainda o "excesso de promiscuidade entre a política e os negócios" como um fator que poderia também conduzir a uma eventual dissolução da AR.

"Se isso continuasse, era uma razão, a meu ver, mais que suficiente para o PR pedir explicações ao Governo e se essas explicações não fossem dadas, ou não fossem satisfatórias para o PR ter que decidir e eu não hesitaria em fazê-lo", sublinhou.

O candidato presidencial frisou ainda que não acredita num modelo de crescimento económico baseado no consumo interno, defendendo que o país precisa de aumentar em 50% as suas exportações.

"Tenho receio de que passemos um ano ou dois, para chegar ao fim de dois anos e dizer 'afinal não resultou'", concluiu.