O primeiro dia de campanha de Maria de Belém rumo às Presidenciais de 24 de janeiro arrancou em Alpiarça, no distrito de Santarém, com a presença de duas figuras do PS: João Soares e Vera Jardim. A primeira ação do dia, a visita à Instituição José Relvas, ficou, de resto, marcada pelas palavras emocionadas do ministro da Cultura, que disse acreditar que se a mãe, Maria Barroso, estivesse viva votaria na candidata. João Soares destacou o trabalho feito de Maria de Belém e sublinhou que quer muito, "como português", ter "uma mulher na Presidência da República".

"O que está em causa é eleger uma mulher para a Presidência da Républica, Eu quero muito, como português, ter uma mulher na Presidência da República. Não tenho dúvidas que Maria de Belém pode ser a mulher que Portugal precisa."


Passavam poucos minutos das 11:00 deste domingo quando a ex-presidente do PS chegou à Instituição José Relvas, em Alpiarça, para uma ação de campanha com um valor simbólico, como a própria o destacou, em declarações ao jornalistas,uma vez que foi José Relvas quem proclamou a Implantação da República, a 5 de outuro de 1910.

Com os socialistas João Soares e Vera Jardim ao seu lado, Maria de Belém visitou as instalações e conversou com os utentes. Os idosos que, como numa qualquer outra manhã de domingo, assistiam à missa dominical através de uma televisão, foram surpreendidos com o enorme aparato de jornalistas. A candidata ouviu palavras de incentivo:  "É muito competente, a senhora indicada, da minha parte tem o meu voto"

Maria de Belém frisa aos jornalistas que dedicou parte da sua vida ao espaço da solidariedade social e este é um dos temas que merece grande destaque na sua agenda - a candidata tem marcadas outras visitas a instituições deste género. 

Mas para além dos temas que traz na agenda, a campanha de Maria de Belém faz-se também de outras nuances, nomeadamente dos apoios das figuras do PS à sua candidatura. As sondagens colocam os dois nomes da área socialista - Belém e Sampaio da Nóvoa - taco a taco e, com as eleições cada vez mais próximas, todos os apoios serão precisos.

E ao primeiro dia de campanha, Belém viu um nome de peso do partido, como é João Soares, deixar-lhe largos elogios. 

O ministro da Cultura de António Costa, que afirmou estar ao seu lado "como cidadão", destacou "a biografia" de Maria de Belém como ministra da Saúde e da Igualdade nos governos de António Guterres e a forma como a candidata presidiu à comissão de inquérito ao BPN, lembrando que um dos desafios de Portugal na atualidade é precisamente a desregulação do sistema financeiro.

Mais, Soares vincou que Maria de Belém é uma socialista de convicções profundas, "que não entregou o seu cartão" de militante e, também por isso, a apoia com toda a convicção.
 
A emoção tomou conta do discurso do governante, que revelou ter feito várias visitas à Instituição José Relvas com a mãe, Maria Barroso. João Soares disse que acredita que se a mãe fosse viva votaria, tal como ele, em Belém. Isto apesar de o pai, Mário Soares, apoiar outro candidato, Sampaio da Nóvoa.

"Tenho a certeza que se a minha mãe estivesse viva votaria, apoiaria Maria de Belém porque ela tinha uma profunda estima por Maria de Belém."