O médico Cândido Ferreira, antigo presidente da Federação Distrital de Leiria do PS, vai apresentar a candidatura a Presidente da República no dia 25 de Abril, em Febres, Cantanhede, distrito de Coimbra.

«Candidato-me porque tenho um percurso diferente em que muitas pessoas acreditam, porque tenho um plano de atuação diferente e porque represento interesses da população e não os interesses partidários que, neste momento, estão em conflito com a sociedade», afirmou Cândido Ferreira, de 66 anos.


O médico declarou já ter recebido «apoios de gente de todos os partidos e, também, de muitos independentes e de muitas pessoas que estão ausentes ou desiludidas da política».

Segundo o candidato, «há muito que pessoas das mais diversas proveniências, até ideológicas» têm-no convidado no sentido de «assumir este papel».

«Face ao estado a que o nosso país chegou e ausência de uma resposta vencedora ao candidato que a direita apresentará e pelo radicalismo das propostas ditas de esquerda, este é o momento certo.»


Adiantando não se conformar «com mais dez anos de apagamento da vontade de soberania popular e de afastamento dos valores constitucionais», Cândido Ferreira explicou que o seu programa «é a Constituição da República Portuguesa e o seu aprofundamento tal como ela própria obriga».

«No entanto, considero como primeira prioridade a reforma dos próprios serviços da Presidência da República, visando uma diminuição drástica de custos do seu funcionamento.»


Para o candidato, «o exemplo tem de vir de cima e é altura de pôr fim ao despesismo insaciável e insustentável da atual classe política».

Cândido Ferreira nasceu em 1949 em Febres e reside em Leiria.

Em 1974, filiou-se no PS e, dois anos depois, foi mandatário-jovem de Ramalho Eanes, candidato à Presidência da República, tendo-se desvinculado do PS, ao qual voltou em 1982.

Segundo a biografia divulgada pela candidatura à imprensa, o médico, entre 1985 e 1989, dirigiu a bancada do PS na Assembleia Municipal de Leiria, tendo sido depois candidato a presidente da Câmara

Entre 1991 e 1995 foi presidente da Federação Distrital de Leiria do PS, tendo sido ainda diretor de campanha do Presidente Jorge Sampaio, sendo que em 2002 integrou a lista à Assembleia da República do PS por Leiria em lugar não elegível.

Em 2011, contestou a liderança de José Sócrates, acabando por pedir a demissão do PS sem ter tomado posse na comissão nacional para a qual tinha sido eleito.

A candidatura vai ser apresentada às 17:00 no dia 25 de abril, na sede da Junta de Freguesia de Febres, sendo que a recolha de assinaturas para a formalização da candidatura arrancará a partir desse dia.