O antigo ministro das Finanças do PS Luís Campos e Cunha é o mandatário nacional da candidatura presidencial de Henrique Neto, foi anunciado esta terça-feira.

Em sessão em Lisboa dedicada a apresentar os mandatários e a comissão de honra da sua candidatura, o candidato presidencial reconheceu uma "grande satisfação, alegria, honra" pelo apoio recebido por várias pessoas de "tantas áreas diferentes".

Os economistas Mira Amaral e Medina Carreira, o antigo líder do CDS-PP Ribeiro e Castro, o presidente da Câmara de Leiria, Raul Castro (PS), o porta-voz dos socialistas católicos, Cláudio Anaia, o cenógrafo Rui Horta, o ator e humorista Guilherme Leite e o antigo secretário de Estado do Governo PSD/CDS-PP Henrique Gomes, que foi substituído durante a legislatura, são alguns dos cerca de 100 nomes que integram a comissão de honra da candidatura.

As presidenciais de 24 de janeiro, nota Henrique Neto, "podem ser o princípio das grandes mudanças na democratização e no progresso de Portugal", mas é preciso garantir um chefe de Estado que não seja "alimentador das disputas partidárias" em torno das forças políticas do poder.

"A crispação que deve preocupar (…) é a distância que existe entre os portugueses e o seu sistema político democrático", sustenta.


A campanha eleitoral, e os meses recentes passados a visitar o país e empresas, por exemplo, tem servido para o candidato "conhecer pessoas que às vezes no anonimato constroem todos os dias um pouco do Portugal que todos" os cidadãos portugueses querem.

Nesta fase é importante a candidatura de Henrique Neto chegar aos portugueses, e embora o candidato reconheça não ter uma "estrutura partidária" salienta a "vontade, valor, o amor" por Portugal de todos os que o apoiam.

"Está nas mãos dos portugueses fazer acontecer um Portugal novo", prosseguiu.


Campos e Cunha, por seu turno, declarou sentir-se honrado por ser mandatário da campanha e acrescentou que Henrique Neto é "um amigo, e os amigos são para as ocasiões".

O candidato é uma "pessoa civicamente empenhada, um homem honesto, solidário", e a campanha eleitoral, no que depender de Henrique Neto será para "discutir as ideias" e não para "ataques pessoais", sinalizou o antigo ministro das Finanças Luís Campos e Cunha.

Ex-deputado do PS e empresário, Henrique Neto, 78 anos, foi o primeiro a anunciar a intenção de se candidatar a Belém: o gestor apresentou-se numa cerimónia no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, a 25 de março.

Pertencente a uma família ligada à indústria vidreira da Marinha Grande, é cofundador da empresa Iberomoldes.

Crítico dos governos socialistas de José Sócrates, no passado mês de janeiro Henrique Neto subscreveu o manifesto "Por uma democracia de qualidade", entregue ao Presidente da República, Cavaco Silva, e que pedia uma reforma do sistema eleitoral.

O candidato afirmou já na pré-campanha para as presidenciais de 24 de janeiro que os seus concorrentes Marcelo Rebelo de Sousa, pela direita, e Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa, conotados com o PS, são todos da "coligação política-negócios".

Na sessão de hoje foi também apresentado o hino musical da campanha eleitoral de Henrique Neto.