"A crispação que deve preocupar (…) é a distância que existe entre os portugueses e o seu sistema político democrático", sustenta.




"Está nas mãos dos portugueses fazer acontecer um Portugal novo", prosseguiu.