“Se queremos voltar a ter um Presidente que valoriza a coesão do todo nacional, que se empenha na solidariedade e na construção de um país mais justo, não podemos ignorar o efeito que teria a eleição de quem sempre apoiou a austeridade, fez campanha por quem defendeu a austeridade e é apoiado por quem continua a insistir na austeridade”, afirmou António Sampaio da Nóvoa, em Ponta Delgada, Açores.

“Se queremos voltar a ter um Presidente que respeita todos os cidadãos e todas as instituições da República, não podemos conviver bem com a eleição de quem não se colocou do lado certo da defesa do aprofundamento das autonomias quando o presidente atual as pôs em causa”, continuou Sampaio da Nóvoa.