O candidato do PSD à Câmara do Porto, Luís Filipe Menezes, reagiu esta quarta-feira às críticas de Rui Rio afirmando não lhe ter «ódio», mas «respeito», e garantindo que tudo fará «para que termine o mandato com dignidade».

«Eu, na política, nunca me movimentei pelo ódio pessoal. O ódio cega-nos, torna-nos insensatos, faz-nos mentir, torna-nos por vezes até ridículos. Eu, em relação ao senhor presidente da Câmara do Porto e em relação a qualquer outro político português, não tenho ódio, tenho respeito», afirmou Menezes em declarações aos jornalistas à margem de uma visita às obras do Pavilhão de Alto Rendimento da Lavandeira, em Gaia.

Recordando que o atual presidente da Câmara do Porto «foi eleito por três mandatos», Luís Filipe Menezes disse «merece[r]» o seu «respeito»: «Portanto, tudo farei para que ele termine o seu mandato com dignidade», sustentou.

Menezes reagia assim às críticas que lhe foram feitas na terça-feira à noite, em entrevista à RTP, pelo colega de partido Rui Rio, que disse não poder apoiar a sua candidatura à autarquia portuense porque «vai destruir tudo o que foi feito» na cidade.

«Se apoiasse Luís Filipe Menezes era hipócrita. Se não dissesse nada era oportunista. Todos os dias faz promessas e promessas e promessas (...). Tenho a obrigação ética de me demarcar muito claramente do candidato que vai destruir tudo o que foi feito. Isto descredibiliza os partidos», lamentou.

Na entrevista à RTP, Rui Rio reprovou ainda o PSD por estar «a infligir pesadas medidas aos portugueses, dizendo que a culpa é de quem endividou o país» e, ao mesmo tempo, escolhe «para o Porto Luís Filipe Menezes, que em Gaia fez pior do que os antecessores socialistas que [o Governo] critica».

Um facto contestado por Menezes, que acusou Rui Rio de «falta de informação» e garantiu que a Câmara de Gaia está «entre as 20% das Câmaras portuguesas com melhores contas», tendo ao nível do endividamento uma «diferença quase nula» face ao Porto.

«Do ponto de vista de endividamento, a diferença entre o Porto e Gaia é quase nula, é de cerca de 80 euros "per capita"», assegurou o candidato.

A este propósito, Luís Filipe Menezes criticou ainda o facto de a Câmara do Porto, sob a égide de Rio, ter investido «nos últimos 10/12 anos 167 milhões de euros», um valor que «é metade do que investiu o concelho de Paredes e é 10% do que investiu o concelho do Porto».

«Agora eu percebo porque é que há tantas famílias em dificuldades nos bairros sociais do Porto, porque é que há tantos bairros que não foram recuperados, porque é que há tanto comércio tradicional a fechar, porque é que há tanta decrepitude na cidade e porque é que as sondagens me dão um grande apoio e há uma grande crença numa viragem de ciclo na cidade do Porto», disse.

Já Gaia, salientou, «investiu 10 vezes mais ¿ 1,7 mil milhões de euros» e tem, por isso, «praias de grande nível para os mais pobres, não para os que têm dinheiro para ir para o Algarve e para o estrangeiro», «4.000 fogos [construídos] para os mais pobres», a urbanização de Vila d`Este renovada, «equipamentos desportivos com 14.000 crianças a fazer desporto todos os dias¿ e ¿livros escolares gratuitos».