Feitas as contas, o XIX Governo Constitucional é agora composto por 57 membros, com 14 ministros e 42 secretários de Estado, além do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

Em 2011, quando formou o Governo, Pedro Passos Coelho tinha ao seu lado no executivo 11 ministros e 36 secretários de Estado, num total de 48 membros.

Antes da sétima remodelação do executivo, que ficou concluída esta sexta-feira com a tomada de posse dos novos secretários de Estado, além do primeiro-ministro, integravam o Governo desde abril deste ano 12 ministros e 38 secretários de Estado, num total de 51 membros.

Agora, são 14 os ministros em funções, entre os quais o vice-primeiro-ministro Paulo Portas, e 42 secretários de Estado.

Em dois anos, a lista de ministros subiu, assim, de 11 para 14 ministros (mais três), enquanto o número de secretários de Estado subiu de 36 para 42 (mais seis).

Na remodelação agora concluída entraram para o Governo três novos ministros: Rui Machete, que substituiu o agora vice-primeiro-ministro Paulo Portas nas funções de ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, António Pires de Lima, que assumiu a pasta da Economia até agora nas mãos de Álvaro Santos Pereira, e Jorge Moreira da Silva, que passou a tutelar o novo ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia.

Entre os ministros, a única saída do executivo foi a de Álvaro Santos Pereira, que desempenhava desde a posse do executivo, em junho de 2011, a função de ministro da Economia.

Com esta remodelação registaram-se outras alterações de orgânica, com a ministra Assunção Cristas a perder a tutela do Ordenamento do Território e do Ambiente, ficando apenas ministra da Agricultura e do Mar. Em sentido contrário, Pedro Mota Soares, ministro da Solidariedade e Segurança Social, ficou responsável pelo Emprego, até agora integrado na Economia.

O XIX Governo Constitucional, que Pedro Passos Coelho formou originalmente com 11 ministros, e que em abril tinham aumentado para 12, passa, assim, a ter 14 ministros: Paulo Portas, Maria Luís Albuquerque, Rui Machete, José Pedro Aguiar-Branco, Miguel Macedo, Paula Teixeira da Cruz, Luís Marques Guedes, Miguel Poiares Maduro, Jorge Moreira da Silva, António Pires de Lima, Assunção Cristas, Paulo Macedo, Nuno Crato e Pedro Mota Soares.

Quanto aos secretários de Estado, há oito entradas no executivo, envolvendo as equipas do agora vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e dos novos ministros dos Negócios Estrangeiros, da Economia e do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia e também dos ministros da Solidariedade, Segurança Social e Emprego, Pedro Mota Soares, da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, e da Educação e Ensino Superior, Nuno Crato.

Dos 19 secretários de Estado que tomaram hoje posse, 11 foram reconduzidos nos cargos.

Saíram do executivo 4 secretários de Estado - Francisco Almeida Leite, até agora secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, João Filipe Queiró, que desempenhava funções como secretário de Estado do Ensino Superior, Marco António Costa, que era secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social, e Pedro Roque, que abandona o cargo de secretário de Estado do Emprego, numa síntese da Lusa.