O secretário-geral do PS, António José Seguro, prometeu domingo à noite que, se for primeiro-ministro, vai negociar com as autarquias para manter os serviços públicos às populações do interior e corrigir perdas, onde se justificar.

O atual líder socialista e recandidato ao cargo falava, em Bragança, onde defendeu que «o poder local democrático, designadamente as autarquias locais são parceiros importantes não apenas na estratégia de desenvolvimento do Interior, mas também na contratualização de soluções que impendem ao Estado e que podem ser asseguradas ou supervisionadas de maneira mais eficiente se for feito pelas câmaras municipais».

Seguro garantiu «dialogar com cada presidente de Câmara, com presidentes de junta» e, além de corrigir alterações com prejuízo para as populações, designadamente na junção de freguesias realizada pelo atual Governo PSD/CDS-PP, «contratualizar os serviços que devem existir em cada um desses concelhos».

«Nós precisamos de reorganizar administrativamente o nosso país, eu não sou contra a reorganização administrativa do país, mas sou contra esta reorganização administrativa, que foi feita a régua e esquadro, mais uma vez pela tal Lisboa que não conhece o interior e é imposto ao interior, sem nenhum diálogo com os nossos autarcas», afirmou.

O secretário-geral do PS lembrou que há muitas pessoas que vivem em aldeias, nomeadamente de Trás-os-Montes, onde discursava, que não têm acesso às novas tecnologias.

«Essas pessoas já viram abalar o carteiro, a extensão de saúde, o posto da GNR, e eu considero que é muito importante que essas pessoas continuem a sentir que o Estado não as abandona. Essas pessoas são merecedoras da presença do Estado e de serviços públicos que lhes resolvam os problemas», considerou.

António José Seguro ressalvou que, com isto, não quer dizer que «fique tudo na mesma», mas insistiu na contratualização com as autarquias para a reforma do Estado, «de maneira a que os serviços possam ser melhor geridos, mas não se retire a prestação desse serviços às populações, sobretudo aquelas que mais precisam deles».

Em Bragança, António José Seguro reafirmou a promessa de que, se chegar ao Governo, vai manter o helicóptero do INEM em Macedo de Cavaleiros para o socorro e emergência da população do Distrito de Bragança.

Defendeu ainda a reativação da ligação aérea entre Bragança e Lisboa, suspensa pelo atual Governo há mais de um ano e meio.

Seguro apenas discursou para os militantes e simpatizantes que encheram o Auditório Paulo Quintela de Bragança, e não quis comentar aos jornalistas o apoio manifestado por oito dos 10 antigos líderes da JS a António Costa, o seu adversário na corrida à liderança do PS.