O candidato do PSD, CDS-PP e MPT à Câmara de Lisboa, Fernando Seara, disse hoje, na apresentação da candidatura «Sentir Lisboa», que está «com os dois pés» na corrida à autarquia e prometeu oito anos de «trabalho de formiga».

A coligação PSD, CDS-PP e MPT anunciou ainda que terá o deputado do CDS-PP Telmo Correia como candidato à Assembleia Municipal.

Fernando Seara explicou a uma sala cheia de apoiantes, na Gare Marítima de Alcântara, que decidiu concorrer à capital depois de «12 anos a cumprir escrupulosamente as obrigações que assumiu com os munícipes de Sintra», e para «reformar» e «reabilitar Lisboa», que quer «mais próxima dos lisboetas».

«Há os que fazem o trabalho da cigarra, e os que preferem fazer o trabalho da formiga. Estou aqui como candidato de corpo inteiro. Não sou, nem serei candidato a prazo, com outros desígnios. Estarei aqui, não abandonarei Lisboa nem os lisboetas nos próximos oito anos», afirmou.

Seara parte nesta corrida com «referências» e «paradigmas» como Pedro Santana Lopes e Carmona Rodrigues, que fizeram, na presidência da Câmara de Lisboa, «obras e obra». Parte inspirado por Nuno Krus Abecasis [presidente da câmara da capital entre 1979 e 1989], que «transportou para Lisboa uma matriz social cristã», a matriz «que suporta uma política social urbana consistente».

«Concorro para reabilitar Lisboa com os lisboetas e não sem eles ou contra eles, para proteger os mais frágeis, como os velhos isolados, aqueles que têm rendimentos insuficientes, as famílias vítimas de desemprego, os habitantes dos bairros degradados, os jovens inquietos quanto ao seu futuro», acrescentou.

Fernando Seara afirmou ainda que a sua candidatura provoca «vários» medos: «O medo de perder eleições, o medo de perder o poder, lugares, importâncias, mordomias, o medo de ter de parar de alimentar e gerir clientelas, e o medo de que Lisboa deixe de ser a presa de alguns para passar a ser, na verdade, a cidade de todos», disse.

O candidato da coligação «Sentir Lisboa» à Assembleia Municipal, Telmo Correia, que inaugurou o palco, afirmou que o apoio do CDS a Seara «não acontece por outra razão que são seja a sua capacidade, a sua competência, a sua probidade e a sua capacidade de vencer, de fazer obra».

Pelo palco de apresentação da candidatura passaram ainda Pedro Passos Coelho, na qualidade de líder do PSD, e Paulo Portas, na qualidade de líder do CDS-PP.

Passos Coelho destacou o facto de estes três partidos se terem juntado «para fazer em Lisboa o que é preciso fazer em Portugal, uma verdadeira proposta de união dos portugueses ¿ aqui união dos lisboetas ¿ para ultrapassar dificuldades grandes mas não intransponíveis», sublinhando que «nenhuma eleição tem resultado antecipado».

Paulo Portas afirmou que o CDS apoia Seara «sem reservas», e considerou que «os portugueses vão querer», à frente dos seus municípios, «gente de contas certas, gente equilibrada», depois de o país ter passado «por um resgate doloroso, que teve que ver com excesso de dívida e de défices».

Foram também apresentados os candidatos da coligação às juntas de freguesia da capital.

Além da candidatura de Fernando Seara, «Sentir Lisboa» (PSD/CDS-PP/MPT), são já conhecidas as candidaturas do PS («Juntos Fazemos Lisboa», liderada por António Costa), da CDU (João Ferreira), do BE (João Semedo), do PPM/PND/PPV (Nuno Correia da Silva) e do PCTP/MRPP (Joana Miranda) à presidência da Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas de 29 de setembro.

O socialista António Costa lidera a Câmara de Lisboa, que é composta ainda por oito vereadores do PS (três de movimentos independentes), sete da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM e um da CDU.