O secretário-geral do PS, António José Seguro, defendeu esta quarta-feira que o primeiro-ministro deve uma explicação ao país no caso de não assegurar um «regresso sem condições» de Portugal aos mercados, após o fim do programa de assistência financeira.

«O senhor tem que prestar contas. E quando o senhor vem falar na saída do programa, é importante que, em primeiro lugar, se verifiquem também, no regresso aos mercados, que o Governou criou as condições para um regresso sustentável, para um regresso sem condições», afirmou António José Seguro.

O deputado e líder do PS dirigia-se ao primeiro-ministro no debate quinzenal com o Governo na Assembleia da República, sublinhando que regressar aos mercados «de uma forma sustentável, sem condições», foi «o objetivo que esteve sempre plasmado no memorando».

«Se o Governo cumpriu, quer dizer que não fez mais do que o seu dever, se não cumprir, se não houver essas condições, o Governo deve uma explicação aos portugueses», declarou.

«Porque não é impunemente que o senhor cortou nas pensões, cortou nos salários, que disse aos jovens portugueses para emigrar, que o senhor aumentou o IRS e que o senhor destruiu uma forte capacidade produtiva no nosso país», argumentou.

Para Seguro, Passos «aplicou o dobro da austeridade prevista e criou uma crise de empobrecimento e desigualdades».

«Isso não lhe posso perdoar, nem lhe perdoará a maioria do povo português», cita a Lusa.