O ano de 2014 assinalará os 40 anos do 25 de Abril de 1974 e a revolução dos cravos será celebrada com eventos culturais e conferências, promovidos pela Presidência da República, o parlamento ou os partidos.

A Presidência da República já anunciou que vai assinalar o 40.º aniversário do 25 de Abril de 1974 com uma conferência internacional sobre a data, centrada «no espírito da democracia, a cultura de compromisso e os desafios do desenvolvimento».

A conferência, que integra os Roteiros do Futuro da Presidência da República, tem como tema as Rotas de Abril, convida os portugueses a refletirem «sobre os novos caminhos que se pretendem trilhar, de forma a concretizar o espírito que presidiu à instauração da democracia em Portugal».

João Lobo Antunes será o comissário da conferência.

Na Assembleia da República, o gabinete da presidente, Assunção Esteves, disse à Lusa que o programa concreto das comemorações ainda não está definido, mas adiantou que sendo o 40º aniversário serão «mais extensas e intensas».

A ideia é «estendê-las ao longo de uma semana» e incluir cinema, exposições, concertos e teatro abertos ao público, assim como um «ciclo de conferências com universidades e centros de reflexão e ideias», num programa que está, «como habitualmente, sob condição de consenso entre os grupos parlamentares».

Entre os partidos, o PSD vai comemorar duplamente os 40 anos da revolução dos cravos e os 40 anos do partido.

«Decorrerão várias comemorações e eventos em que comemoraremos Abril, a democracia e também o PSD e a social-democracia», disse à Lusa o secretário-geral do partido, Matos Rosa.

Os comunistas farão a transição entre as comemorações do centenário de Álvaro Cunhal e os 40 anos do 25 de Abril no início de janeiro, com uma evocação da fuga de Peniche do líder histórico do PCP, disse à Lusa fonte do gabinete de imprensa do partido.

Entre as iniciativas previstas para assinalar os 40 anos do 25 de Abril, está previsto o lançamento, pelas edições Avante!, do tomo V das obras escolhidas de Álvaro Cunhal, «que incide no período em torno do 25 de Abril».

A festa do Avante! será «um momento privilegiado das comemorações», que contarão também com um «conjunto de iniciativas temáticas sob a ideia dos valores de Abril no futuro de Portugal».

O Bloco de Esquerda quer que os 40 anos do 25 de Abril sejam um momento de festa, mas também de reflexão e produção de «pensamento crítico», disse à Lusa fonte do gabinete de imprensa do partido.

Os bloquistas promovem um encontro cultural em torno do tema da 'Revolução', que reunirá personalidades nacionais e internacionais do meio artístico e cultural, historiadores, ativistas, entre outros.

«Para organizar este encontro nacional o Bloco vai iniciar já em dezembro um conjunto de reuniões preparatórias que contarão com dirigentes e ativistas culturais», especificou a mesma fonte.

Fonte do gabinete de imprensa do PS disse à Lusa que o programa das comemorações do 25 de Abril ainda não está fechado e o CDS-PP não respondeu em tempo útil sobre como os democratas-cristãos planeiam assinalar a efeméride.

O gabinete do primeiro-ministro também não prestou nenhum esclarecimento sobre um eventual programa comemorativo.