O presidente do PSD, Passos Coelho, reafirmou hoje na apresentação dos candidatos da coligação «Sentir Lisboa», liderada por Fernando Seara, que «nenhuma eleição» tem um «resultado antecipado» e que «há um futuro com esperança à espera».

«Não há nenhuma eleição que tenha resultado antecipado. Olhamos para as sondagens e temos apenas a noção da dificuldade da tarefa. Reconhecendo a dificuldade desta empresa vai dar mais gozo, vai ter maior empenho, o trabalho que vamos fazer. Há um futuro com esperança que está a nossa espera, se soubermos lutar pelos nosso objetivos e não ficarmos à espera que alguém resolva os nossos problemas. Somos gente de trabalho», disse Pedro Passos Coelho.

Antes, o primeiro-ministro elogiara os três partidos (PSD, CDS-PP e MPT) que concorrem coligados à autarquia lisboeta por estarem a «fazer em Lisboa o que é preciso fazer em Portugal».

«Uma verdadeira união para ultrapassar as dificuldades, que são importantes, mas não são intransponíveis», continuou, defendendo que é necessário na capital «alguém que vá ao encontro das pessoas, com os dois pés assentes na terra, sem ter excesso de idealismo, mas trazendo sonho que chegue para fazer a mudança».

Passos Coelho previu que Fernando Seara e restantes candidatos autárquicos às eleições autárquicas de 29 de setembro «irão fazer desta batalha eleitoral, não uma batalha partidária, mas uma batalha de cidadania por Lisboa».

«Acredito, sinceramente, que partindo de trás, desafiando aqueles que estão instalados, trazemos méritos que é preciso transmitir às pessoas», disse o líder social-democrata, elogiando o trabalho de Seara durante 12 anos em Sintra, no qual conseguiu, «mesmo para além das coligações, fazer esse ponto de união entre praticamente toda a gente, todos os partidos e todos os cidadãos».

Já o presidente do CDS-PP afirmou que os portugueses vão optar por votar em «gente de boas contas» nas eleições autárquicas de 29 de setembro por se tratar do primeiro escrutínio depois de um «resgate doloroso».

«É a primeira vez que os portugueses farão escolhas depois de o país passar por um resgate doloroso provocado pelo excesso de dívida e pelo excesso de défice. Vão querer gente de contas certas, gente ponderada, gente equilibrada», disse Paulo Portas.

O vice-primeiro-ministro admitiu realidades diversas de concelho para concelho, até porque há autarquias em que democratas-cristãos e sociais-democratas «concorrem voto a voto», mas em muitas autarquias, como na capital, existe um «compromisso de vitória e de mudança».

«O CDS apoia, sem reservas e integralmente, a candidatura de Fernando Seara à Câmara Municipal de Lisboa», afirmou, congratulando-se ainda com o facto de ter chegado «o dia em que o destino de Fernando Seara é decidido nas urnas e não nos tribunais», referindo-se aos problemas judiciais relativos às restrições de autarcas que já desempenharam três mandatos sucessivamente.

Sobre Fernando Seara, atualmente presidente da câmara de Sintra, Paulo Portas destacou as qualidades de «responsabilidade», «integridade» e «probidade» de Fernando Seara.