O deputado socialista João Galamba acusou, este sábado, a direção de António José Seguro de travar com «manobras dilatórias» o desafio para a realização de eleições diretas para o cargo de secretário-geral e um congresso extraordinário do PS.

João Galamba, apoiante da candidatura do presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, falava aos jornalistas a meio da reunião da Comissão Nacional do PS, depois de interrogado sobre a proposta do secretário-geral, António José Seguro, a favor da realização de eleições primárias abertas a simpatizantes.

Seguro: «Habituem-se porque isto mudou»

«Chegámos a esta Comissão Nacional do PS com uma proposta clara para resolver um problema do partido e que é sentido pela grande maioria do povo português, mas esta direção [de António José Seguro] recusou-a», disse João Galamba, numa alusão à intenção de António Costa se candidatar à liderança e de se realizar um congresso extraordinário.

De acordo com a Lusa, para João Galamba, «parece que o secretário-geral e a sua direção do PS têm medo dos militantes e inventaram agora uma manobra dilatória para ganhar tempo».

«O que os militantes do PS exigem é que se resolva esta situação o mais rapidamente possível. Alguém que não tem medo dos militantes aceita o repto lançado. Esta conversa em torno das eleições primárias, com as quais nós concordamos, não pode servir para arrastar o atual impasse por mais seis meses», acrescentou.